O Presidente norte-americano, Donald Trump, deu esta sexta-feira a entender estar disponível para aceitar uma eventual saída do atual secretário de Estado, Mike Pompeo, caso este deseje tentar uma candidatura ao Senado nas eleições de novembro de 2020.

A possível saída de Pompeo da administração Trump voltou a ser abordada nos últimos dias pelos media norte-americanos, bem como a sua eventual intenção de concorrer a um mandato no Senado (câmara alta do Congresso) pelo Estado do Kansas.

“Mike gosta realmente do que faz”, disse Donald Trump, em declarações ao canal de televisão Fox News, considerando o atual chefe da diplomacia norte-americana “uma pessoa incrível, que está a fazer um ótimo trabalho num mundo muito complicado”.

“Mas ele ama o Kansas. Ele ama as pessoas do Kansas”, afirmou o Presidente, prosseguindo: “Se ele achar que existe um risco de perder o lugar (no Senado), acho que ele fará isso e irá ganhar com uma grande margem porque é muito apreciado no Kansas”.

Esta semana, a revista norte-americana Time avançou, citando três proeminentes figuras do Partido Republicano que falaram sob a condição de anonimato, que Pompeo teria abordado nas últimas semanas com estes mesmos responsáveis uma eventual renúncia e os seus planos para uma futura candidatura ao Senado nas próximas eleições.

Mas, segundo as mesmas fontes, Pompeo está a enfrentar um dilema sobre a melhor altura para o anúncio de uma possível saída do Departamento de Estado, por causa dos recentes desenvolvimentos do inquérito com vista a um processo de destituição de Trump, nomeadamente sobre o papel que desempenhou na questão ucraniana e nos contactos com o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, para o avanço de uma investigação relacionada com Joe Biden [ex-vice-Presidente norte-americano e eventual candidato Democrata nas eleições presidenciais de 2020] e o seu filho Hunter Biden.

As fontes disseram à Time que os planos de Pompeo era ficar no Departamento de Estado até à próxima primavera, mas os desenvolvimentos do inquérito, a decorrer ao nível da Câmara dos Representantes [câmara baixa do Congresso], está, segundo as mesmas, a fragilizar politicamente o secretário de Estado, bem como a sua relação com Trump.

O Kansas não tem um senador Democrata desde 1932, mas a iminente reforma do senador Republicano veterano do Kansas Pat Roberts está a preocupar o aparelho do partido Republicano, segundo indicou a CNN, que tentou obter um comentário do Departamento de Estado sobre as declarações desta sexta-feira de Trump sobre Pompeo.

Caso seja reeleito nas presidenciais de 2020, Trump quer conservar a atual maioria republicana no Senado.