Há muitos automóveis, jipes e furgões antigos que estão abandonados porque os motores ou as caixas de velocidades não funcionam ou necessitam de investimentos consideráveis para voltarem ao activo. Mas, mesmo assim, continuariam a ser pouco potentes, muito “gulosos” e poluentes. Daí que surjam cada vez mais empresas especializadas na transformação de veículos clássicos, electrificando-os. A própria Volkswagen dá o exemplo, tendo desenvolvido um pack de adaptação para motor eléctrico que vende a quem estiver interessado.

O modelo em causa é um Volkswagen Type 2, também conhecido como Pão de Forma, com um valor reduzido em termos históricos, por se tratar da segunda geração do modelo (fabricada entre 1967 e 1979) e não da primeira, a original e a mais característica. Datada de 1972, possui ainda os piscas anteriores em posição mais baixa, sobre o pára-choques (em vez de mais elevada e por cima dos faróis), o que demonstra ter sido fabricada em finais de 1971. O seu velho motor 1.6 a gasolina, com quatro cilindros opostos refrigerado a ar, dado tratar-se da mesma unidade que equipava igualmente os Carocha, fornecia 50 cv. Nos dias bons, que há muito tinham ficado para trás.

8 fotos

Através da Volkswagen América, o especialista em transformações EV West, de San Marcos, Califórnia, adquiriu a mecânica de um Volkswagen e-Golf de 2017, composta pelo motor de 136 cv e 290 Nm de binário, pela bateria com 35,8 kWh de capacidade, além do sistema de gestão de energia e de carga. E também a caixa de uma só velocidade que, essencialmente, é um sistema de redução das 20.000 rpm a que gira o motor eléctrico para a rotação necessária para fazer as rodas do Golf girar à velocidade máxima de 150 km/h.

De uma assentada, o Pão de Forma passou a contar não com os originais 50 cv, mas sim com 136 cv e muito mais força. A autonomia entre recargas baixou para 200 km, mas o furgão da Volkswagen pode ser recarregado nos mesmos postos rápidos do e-Golf .