O líder sindical do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) queixou-se esta segunda-feira da sobrecarga de trabalho dos inspetores em serviço no aeroporto do Porto, exigindo o reforço “urgente” dos efetivos.

“A situação é crítica. Os inspetores do Aeroporto Francisco Sá Carneiro estão exaustos devido às condições de trabalho demasiado exigentes durante os turnos. Falam ainda em pressão constante por parte dos passageiros devido às longas filas de espera para o controlo“, afirmou o presidente do Sindicato Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF (SCIF/SEF), Acácio Pereira.

Reclamando um reforço “urgente” do número de inspetores, o dirigente sindical associou a sobrecarga de serviço ao aumento de tráfego no aeroporto do Porto, “para onde são desviados muitos dos voos que antes seguiam para Lisboa”.

O Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, “está saturado, cada vez com mais voos, o que faz com que muitos destes estejam a ser deslocados para o Porto. E, não tendo os recursos do SEF aumentado em proporção, estão agora a replicar-se no Francisco Sá Carneiro os problemas sentidos até há pouco tempo em Lisboa” disse o dirigente sindical, citado em comunicado do SCIF/SEF.

É, conforme sublinhou, uma situação que tende a agravar-se na ponta final do ano, altura em que aumenta consideravelmente o fluxo de passageiros nos aeroportos.

Acácio Pereira advertiu que ao SEF “apenas é possível combater o auxílio à imigração ilegal, a falsificação de documentos e o tráfico e exploração de seres humanos com a abertura de novos concursos para inspetores, os quais tenham por base um levantamento sério e rigoroso das necessidades” do serviço.

Os inspetores do SEF no Norte reúnem-se ao final da tarde de terça-feira, em instalações do próprio aeroporto, numa assembleia Regional Extraordinária para discutir a falta de inspetores efetivos não só na infraestrutura aeroportuária como nas demais unidades orgânicas da Direção Regional daquela serviço.