Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Todos nós temos uma ideia do que é um tanque de guerra, apesar da esmagadora maioria nunca ter visto nenhum em acção. Contudo, sabemos que mesmo antes de usar o seu tão imponente quanto mortífero canhão, têm força e transmitem-na ao solo através de umas lagartas metálicas que não fazem ideia do que é perdas de tracção ou piso muito escorregadio. Foi exactamente contra um “monstro” destes que a Drivetribe, o canal de vídeo da equipa que apresenta o The Grand Tour para a Amazon, decidiu desafiar o novo Jeep Wrangler para uma volta a um circuito tão coberto de lama que mais parecia papa.

Mas, primeiro, vamos às apresentações. De um lado do ring temos um tanque (mais precisamente um canhão sobre rodas) de origem russa, um 251 Gvozdika, que está equipado com um enorme canhão com um calibre de 122 mm, capaz de enviar um projéctil a uma distância de 22 km. Com 3210 kg e um motor a gasóleo com apenas 300 cv, o tanque russo está longe de ser um Ferrari da guerra. Contudo, as suas lagartas metálicas garantem-lhe tracção em qualquer tipo de piso e uma velocidade de 60 km/h em estrada, para depois alcançar 30 km/h em todo-o-terreno.

Frente a este monstro, com canhão e tudo, a Drivetribe apontou o novo Jeep Wrangler. Podendo estar equipado com o motor 2.0 a gasolina, ou em alternativa, um 2.2 turbodiesel, sempre com 4 cilindros, os ingleses optaram pelo primeiro, com a vantagem de possuir 272 cv, ou seja, mais 72 do que o seu “irmão” a gasóleo. Face ao tanque, apresenta a limitação de recorrer a pneus de borracla flexíveis, em vez de lagartas, tendo do seu lado o trunfo de pesar apenas duas toneladas e poder atingir um máximo de 180 km/h. Em estrada, pois fora dela depende… do piso.

Numa pista num estado deplorável e capaz de enterrar qualquer um até aos joelhos, o 251 Gvozdika arrancou melhor e nunca patinou ou manifestou a mais pequena perda de tracção. Apesar do péssimo estado do piso, a sua velocidade não foi suficiente para bater o Wrangler, ainda que por muito pouco. E não se pode acusar o tanque de ter tido aos comandos um piloto de segundo nível, pois Tiff Needell já conduziu de tudo, até mesmo Fórmula 1, tendo disputado duas corridas em 1980, aos comandos de um Ensign com motor Ford Cosworth.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR