Um avião de pequena dimensão (modelo Piper PA-32) caiu numa área arborizada nos arredores de Kingston, Ontário, no Canadá, na noite de quarta-feira. A polícia local começou por adiantar que se registavam vários mortos, segundo a agência Reuters.

Mais tarde, um porta-voz da polícia local confirmou que o acidente provocou sete vítimas mortais. A estação pública canadiana CBC (Canadian Broadcasting Corporation) está a avançar a identidade das vítimas, citando “dois amigos” das mesmas: tratar-se-á de um piloto que viveria em Houston, Texas, chamado Otabek Oblokulov, da sua mulher e dos seus três filhos de 3, 11 e 15 anos, a que se soma um outro casal canadiano.

O jornal local Whig-Standard já tinha adiantado, antes da confirmação oficial, que o acidente tinha causado a morte de sete pessoas, mas referia apenas duas crianças. A aeronave monomotor teria capacidade para seis pessoas além do piloto, segundo a imprensa canadiana.

Os paramédicos de Kingston afirmaram antes que se deslocaram ao local mas que não trataram nenhum paciente — e fonte das autoridades tinha já adiantado oficialmente “não haver indicação” de que tivessem existido sobreviventes.

A Transportation Safety Board do Canadá (TSB) garantiu que ia enviar uma equipa para investigar o acidente. Sabia-se que a área estava sob aviso devido à previsão de ventos fortes e “múltiplos moradores daquela zona já notaram que se sentiam ventos fortes e chuva pesada na altura da queda” do avião, segundo o jornal digital canadiano The Star. “Fiquei muito surpreendido por alguém ter voado na noite passada, porque existiam muitos avisos de que esta tempestade de vento estava a chegar”, afirmou um morador próximo do local de queda do acidente,  Rob Gibson, citado também pelo The Star