Um estudo encomendado pela Sociedade dos Construtores e Comercializadores de Automóveis (SMMT) concluiu que, em caso de uma saída do Reino Unido da União Europeia (UE) sem acordo, as consequências para o país seriam terríveis. De recordar que, em 2018, foram fabricados 1,52 milhões de automóveis na Inglaterra.

O estudo da SMMT concluiu que a ausência de acordo com a UE implicaria um incremento de custos aos veículos fabricados no país em cerca de 3,2 mil milhões de libras, cerca de 3,75 mil milhões de euros. Este aumento provocaria uma redução da produção para apenas 1 milhão de unidades.

O facto de vários fabricantes, como a Honda e a Ford, já terem anunciado que iriam fechar as suas fábricas britânicas confirma a quebra de interesse no mercado inglês, que nos primeiros nove meses de 2019 atingiu o mínimo de veículos transaccionados desde 2011.

Comparando a performance de vendas entre 2018 e 2019, é notória a quebra de 15,6%, o que confirma o desespero. Isto mesmo se o Brexit, com ou sem acordo, ainda não aconteceu. Caso avance, construtores como a PSA já fizeram saber que não há grande justificação para que a fábrica da Vauxhall se mantenha no Reino Unido.