O Jeonbuk Motors, treinado pelo luso-angolano José Morais, sagrou-se este domingo campeão sul-coreano de futebol, ao vencer em casa o Gangwon e beneficiar da derrota do Ulsan Hyundai na última jornada.

Na última jornada da fase do apuramento de campeão, Son Joon-Ho marcou o único golo da vitória do Jeonbuk sobre o Gangwon, por 1-0.

A equipa de José Morais — que chegou a fazer parte das equipas técnicas de José Mourinho no Chelsea, Inter e Real Madrid, inicialmente como substituto de André Villas Boas quando este saiu para treinar a Académica  — entrava para a derradeira ronda a três pontos do Ulsan e praticamente afastado do título, mas acabou por ver o rival perder em casa com o Pohang, por 4-1.

José Morais à direita de José Mourinho. É mais um dos antigos colaboradores de “Mou” a tentar uma carreira como treinador principal, tal como Rui Faria, que está igualmente na imagem, mas de costas (@ IAN KINGTON/AFP via Getty Images)

O Jeonbuk e o Ulsan terminaram o campeonato com os mesmos 79 pontos, mas com vantagem para a equipa de José Morais, que conquistou o seu sétimo título, o terceiro consecutivo e o quinto nos últimos seis anos.

Este foi o segundo troféu nacional da carreira de José Morais, de 54 anos, depois de ter vencido a liga tunisina em 2008/09, ao serviço do Espérance de Tunis. O técnico passou também pelo futebol português: treinou Benfica B, Estoril Praia, Académico de Viseu e Santa Clara, entre 1999 e 2005.

Em janeiro, em entrevista ao semanário Expresso, José Morais, filho de pai português e mãe angolana, contava que chegou a Portugal em 1974, com nove anos. Confessou-se ainda benfiquista e recordou o primeiro contacto com José Mourinho, quando este treinava ainda o clube encarnado: “Olhava para o treino dele e tinha tudo a ver com os meus sonhos, de organização, muita objetividade e a dinâmica que ele veio introduzir era a que eu gostava. Já na formação do Benfica buscava muito a influência dos holandeses, do método, a organização dos exercícios, exercícios com bola, objetivos em termos de espaços reduzidos… Quando ele veio trouxe tudo isso da influência que teve no Barcelona, não só do Bobby Robson, mas da dinâmica do próprio clube uma vez que o Cruijff, tinha uma grande influência, e depois do facto de ter trabalhado com o van Gaal… Havia muitos exercícios que ele trouxe e que eu adorava, adorava o treino que ele dava”.

O técnico luso-angolano quando orientava o clube inglês Barnsley F.C. (@ Richard Sellers/Getty Images)

Na mesma entrevista, contou ainda que começou por trabalhar com José Mourinho como observador dos adversários — a função anteriormente exercida por André Villas Boas — mas que gradualmente foi passando também a trabalhar com o atual técnico do Tottenham no campo de treinos.

Além de passagens pelo Benfica (muitos anos de formação e dois a treinar a Equipa B), Estoril Praia, Académico de Viseu e Santa Clara, José Morais foi ainda treinador principal na Alemanha (Dresdner SC e Westfalia Herne), Suécia (Assyriska), Jordânia (Al-Faisaly), Arábia Saudita (Al-Shabab e Al-Hazm), Tunísia (Stade Tunisien e Espérance de Tunis) e Iémen (Seleção do país) antes de começar a trabalhar com José Mourinho. Posteriormente, voltou a orientar o Al-Shabab e o Espérance de Tunis, o Antalyaspor (da Turquia), o AEK da Grécia, o clube inglês Barnsley e o Karpaty, na Ucrânia, antes de assumir o clube sul-coreano com o qual se sagrou campeão este domingo.