A Renault vai fazer coincidir o início da comercialização do novo Zoe com o arranque da época do e-Trophée Andros, a competição reservada a veículos eléctricos e realizada em circuitos desenhados no gelo. Daí que tenha concebido e produzido um modelo especificamente para o efeito.

Denominado Zoe Electric Racer, o eléctrico de corridas parece um Zoe “normal” depois de tomar doses maciças de esteróides anabolizantes. Mais baixo, mas sobretudo com vias substancialmente mais largas, o “super” Zoe monta dois motores em vez de apenas um, de onde extrai 340 cv. A este argumento, o modelo alia um outro para lhe permitir ser mais rápido, que consiste em pesar menos 400 kg do que o modelo de série, ficando-se assim pelos 1.030 kg quando colocado sobre a balança.

Calendário para a próxima época do troféu Andros reservado a carros eléctricos

Este “peso-pluma” foi conseguido à custa de um habitáculo completamente despido, uma carroçaria integralmente em fibra e um chassi tubular. Isto sem esquecer a bateria que, com apenas 27 kWh, pesa cerca de metade da que monta o Zoe de série, com 52 kWh. A reduzida capacidade é mais do que suficiente para resistir à corridas, disputadas numa série de mangas com 25 minutos cada.

Aos comandos do “super” Zoe vão estar Jean-Baptiste Duborg, Nicolas Prost e Emmanuel Moinel, que esperam ter uma palavra a dizer no Trophée Andros deste ano, reservado a veículos exclusivamente eléctricos. As pistas são tradicionalmente desenhadas em estâncias de esqui, cujos clientes irão certamente apreciar o silêncio, caso não sejam fãs da emoção que os motores de combustão proporcionam.