O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou um conjunto de taxas alfandegárias contra importações vindas do Brasil e da Argentina, acusando estes países de estarem a fazer uma “desvalorização massiva das suas moedas”, “aproveitando-se do nosso dólar forte” para ganhar vantagem sobre os “agricultores” dos EUA, afirma Trump. As taxas aplicam-se, com “efeito imediato”, sobre importações de aço e alumínio, indicou.

Através do Twitter, o Presidente norte-americano volta a pedir à Reserva Federal dos EUA que tome, igualmente, medidas que, na opinião de Trump, protegem a economia norte-americana: baixar as taxas de juro.

Não é a primeira vez que o Presidente dos EUA critica os responsáveis da Reserva Federal, apelando para que baixe ainda mais as taxas de juro, apesar do banco central ter descido os índices de referência monetária por três vezes, este ano.

O Presidente dos EUA tem mostrado preocupação com a capacidade de exportação das empresas norte-americanas, especialmente no setor agrícola, que têm sido prejudicadas com as taxas retaliatórias resultantes do conflito comercial com a China, que dura há quase dois anos.

Jair Bolsonaro, presidente do Brasil, diz que tem um canal aberto com Donald Trump e que poderá conversar com o Presidente dos Estados Unidos sobre o aumento da tarifa de importação de metais brasileiros.

“Vou falar com o [ministro da Economia Paulo] Guedes hoje. Alumínio? Vou falar com o Paulo Guedes agora. Se for o caso, ligo para o [Donald] Trump, eu tenho um canal aberto com ele. Converso com o Paulo Guedes e depois dou uma resposta, para não ter que recuar, tá ok?”, disse Jair Bolsonaro à saída do Palácio da Alvorada, sua residência oficial em Brasília.