Lionel Messi conquistou a sexta Bola de Ouro da carreira graças a sete pontos. Sete pontos, apenas sete pontos, separaram o argentino de Virgil Van Dijk e deram o prémio de melhor jogador do mundo ao capitão do Barcelona. Foi a votação mais renhida de sempre — o que é sinal não só da indecisão dos jornalistas que votaram como também da grande temporada que o central holandês realizou — e um resultado final que pode ter aberto um novo capítulo na história do futebol internacional. Pela primeira vez desde 2010, Cristiano Ronaldo não ficou entre os dois primeiros.

O avançado português foi terceiro, logo depois de Van Dijk, e essa queda abriu então espaço à intromissão do central do Liverpool entre os dois jogadores que nos últimos 15 anos têm dominado o mundo do futebol. Além de não ter sido considerado um dos dois melhores jogadores do mundo pela primeira em nove anos, Cristiano Ronaldo perdeu ainda o estatuto, ainda que em ex aequo, de recordista de Bolas de Ouro. A conquista de Messi, a sexta conquista de Messi — mais uma do que o português — desfez a coexistência dos dois jogadores no topo desse ranking. E o argentino, sem grandes pudores, não teve problemas em reconhecer que estava satisfeito por ter agora mais uma bola dourada oferecida pela France Football do que Ronaldo.

“Por um lado, gostava de ter cinco e ser o único. Quando o Cristiano me igualou, admito que me custou um pouco, já não estava sozinho lá em cima. Mas naquela altura o Cristiano tinha todo o mérito em levar a Bola de Ouro e eu não podia fazer muito mais”, revelou Messi em entrevista à France Football. “Uma vez mais, os título coletivos são os mais importantes, ainda que os individuais tenham grande valor. No que diz respeito à Bola de Ouro, cada um a vive à sua maneira. Mas sim, no desporto ao mais alto nível, queremos sempre ganhar”, acrescentou o jogador do Barcelona, que ainda teve tempo para explicar de forma detalhada o porquê de achar que Cristiano Ronaldo foi a escolha certa nos anos em que perdeu o troféu.

“Entendo porque é que ganhava. Nós [o Barcelona] não estávamos a cumprir o objetivo de ganhar a Liga dos Campeões e essa é a competição que dá mais oportunidade de levar a Bola de Ouro. Quando o Cristiano ganhava os troféus era porque fazia temporadas muito boas e ganhava a Liga dos Campeões sendo determinante”, concluiu Messi.