Desde muito jovem, nos escuteiros, até aos dias de hoje, em que chega a emprestar a sua voz a quem não é ouvido, a jornalista Laurinda Alves sabe bem o que é ser voluntária. “Não me conheço sem fazer voluntariado. É uma coisa de família, digamos assim. Os meus avós faziam e os meus pais também. É um caldo familiar”, explica.

Laurinda considera que a sua primeira experiência de trabalho probono foi ainda muito jovem, nos escuteiros. “Era chefe dos Lobitos, e, além da parte divertida, era preciso organizar, preparar reuniões. Dava muito trabalho e tomava muito tempo”, conta-nos. Começou assim a dar o seu contributo e a sentir a gratificação de trabalhar para o bem comum. E nunca mais parou: fez 10 anos de voluntariado na Associação Acreditar; 3 anos daquilo a que chama voluntariado de cabeceira, numa unidade de cuidados paliativos no Hospital da Luz; está desde a primeira hora com a Associação Salvador; é cofundadora da Academia do Jonhson; embaixadora da Acredita Portugal, uma organização de voluntariado business; vai a prisões; participa em ações pontuais para várias associações; e, como se não bastasse, escreve sem cobrar quase sempre que lhe pedem. “Para ter uma ideia, metade de minha vida profissional é probono, porque, quem como eu tem o privilégio de ter uma voz, pode amplificar ou dar voz a quem não tem ou a quem é pouco ouvido.”

Estamos muito próximos do ideal

Como qualquer pessoa mais atenta, Laurinda observa que se há alguns anos fazer voluntariado era um desejo de algumas pessoas, talvez poucas, atualmente o sentido cívico de contributo já é quase natural. “Agora, o voluntariado dá créditos académicos, o que levou os alunos a fazê-lo na universidade e nas escolas. Também já começou a valer no mundo corporativo e nas organizações. Esta escalada, ou esta cultura em que todos já começamos a viver, está muito próximo do ideal, porque as pessoas já não pensam se querem fazer voluntariado, mas onde e de que forma querem dar o seu contributo como voluntários.”

Encontrar o seu lugar

Para quem quer ser voluntário, mas ainda não encontrou a motivação necessária, Laurinda tem uma resposta muito clara: “O que eu diria a uma pessoa que ainda está à procura do seu voluntariado é que identifique aquilo de que gosta, aquilo que é, no fundo, o seu recreio, onde sente que poderá acrescentar alguma coisa que outras pessoas não acrescentariam. Pode ser numa área onde toque as pessoas, ou noutra, mais logística. Muito simplesmente, é olhar para a realidade em volta e perceber o que pode fazer com os seus talentos”.

Para se começar – e continuar – a fazer voluntariado, a jornalista, professora universitária e voluntária em tantas áreas defende ainda que qualquer motivação é válida: seja para obter créditos, ocupar o tempo ou valorizar-se perante o emprego ou a escola. Ser voluntário, explica, é dar um sentido profissional ao ato de pintar uma parede, tomar conta de animais, ler um livro nas prisões, cuidar de um jardim ou de um canil, fazer companhia a velhinhos ou numa atividade em que nem sequer tocam pessoas ou animais, mas apenas trabalhos administrativos.

Voltar transformado

Em jeito de conclusão, Laurinda Alves sublinha que a “única pergunta que temos de fazer, seja nas organizações profissionais, na academia, nas escolas ou nas famílias é: qual é a área em que eu quero dar contributo cívico. E todas as áreas são boas, porque quem toca a experiência do voluntariado vem sempre transformado”. E conclui: “É por isso que eu acho que estamos no caminho certo quando agarramos esta possibilidade”.

#observamosboascausas