O Presidente da República, Marcelo Rebelo Sousa, disse esta terça-feira que “é lógico que Jorge Jesus venha a ser condecorado”, depois de verificar que outros treinadores portugueses, com conquistas semelhantes, também foram.

“Já verifiquei que todos os outros treinadores [José Mourinho e Manuel José] que venceram competições comparáveis àquela que venceu Jorge Jesus, todos foram condecorados, portanto é lógico que Jorge Jesus venha a ser também condecorado”, referiu esta terça-feira Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República já tinha sido questionado em relação a uma possível condecoração após Jorge Jesus ter conquistado com o Flamengo a Taça dos Libertadores da América, mas adiantou então que iria comparar a situação.

O treinador português venceu em Lima a maior competição de clubes da América do Sul, com o Flamengo a bater na final da Libertadores, em 23 de novembro, os argentinos do River Plate, por 2-1, conquistando também no dia a seguir o campeonato brasileiro.

“O meu impulso imediato era condecorá-lo, mas por muito grande que seja a emoção no exercício do meu mandato tenho de ouvir o Conselho das Ordens e tenho de ponderar se há outros que não foram condecorados e merecem, porque venceram uma taça europeia de relevância continental ou venceram mesmo uma taça intercontinental”, disse então.

Esta terça-feira, à margem da presença da basquetebolista Ticha Penicheiro no programa ‘Desportistas no Palácio de Belém’, Marcelo Rebelo Sousa falou também do terceiro lugar de Cristiano Ronaldo na Bola de Ouro, ganha pelo argentino Lionel Messi.

“Nunca se pode subestimar a qualidade dos nossos melhores desportistas, há anos em que ganham, há anos em que não ganham, há anos sem títulos, o facto de não ter ganhado este ano não significa que não possa ganhar em anos seguintes”, assinalou em relação à possibilidade de CR7 voltar a ganhar.

Na Bola de Ouro, Cristiano Ronaldo foi terceiro, Bernardo Silva nono, e João Félix, 28.º

“Sabem que a vida é feita de vitórias e de não vitórias, não se pode ganhar sempre, o facto de termos três grandes jogadores nos melhores do mundo significa que continuamos a ser dos melhores do mundo”, enalteceu o chefe de Estado.