A Polícia Judiciária desmantelou uma rede criminosa que introduzia cocaína na Europa através do Porto de Sines, noticiou o Jornal de Notícias. Os arguidos são um estivador do porto, que também é dirigente sindical do setor, dois advogados, o líder da rede, que está a cumprir nove anos por tráfico de droga, e a mulher, outro homem que servia de intermediário e uma empresa angolana.

A rede operava desde 2015 e recorria ao estivador para retirar a cocaína dos contentores antes de serem inspecionados pelas autoridades competentes. A lavagem de dinheiro era feita através da compra de imóveis e terrenos pela empresa angolana.

A PJ apreendeu aos arguidos 165 mil euros em numerário, 22 imóveis, automóveis, armas de fogo, computadores, telemóveis e documentação.

A Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes, da PJ, propôs ao Ministério Público que os arguidos fossem acusados de tráfico de estupefacientes agravado, associação criminosa, branqueamento de capitais, corrupção ativa, falsificação de documentos e possa de armas proibidas.