O ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, defendeu esta segunda-feira a necessidade de Portugal e São Tomé e Príncipe reforçarem as medidas de combate à “nova criatividade” dos traficantes de droga no Oceano Atlântico. “Uma das coisas que Portugal e São Tomé e Príncipe partilham é o Oceano Atlântico e o Oceano Atlântico tem novos desafios, novas vulnerabilidades, tem uma criatividade nova por parte de traficantes de drogas que nós temos que combater”, disse João Cravinho a saída de uma audiência com o Presidente são-tomense, Evaristo Carvalho.

Gomes Cravinho referiu-se ainda ao Golfo da Guiné como um local onde se registam “incidentes de pirataria”, que afetam São Tomé, mas também Portugal, porque uma parte importante do comércio português passa por ali.

Na audiência com o chefe de estado são-tomense, Gomes Cravinho analisou “o trabalho conjunto [necessário] para corresponder a esses novos desafios”. O ministro português disse que o chefe de estado são-tomense está “muito atento a esta problemática”, acrescentando: “obviamente que eu aprofundo mais de forma operacional com o sr. ministro da Defesa e Ordem Interna”. João Cravinho defendeu, no entanto, que os problemas no Golfo da Guiné são “uma matéria que merece o consenso, em Portugal e em São Tomé de todos os atores políticos”.

O governante português está a fazer uma visita de 24 horas a São Tomé, no âmbito de uma digressão por vários países africanos nos quais Portugal tem guarnição militar. O objetivo é o de festejar o Natal com os militares.