Pelo menos seis pessoas morreram — entre elas, um polícia — na sequência de um tiroteio que durou mais de uma hora, na tarde desta terça-feira em Jersey City, no estado norte-americano de New Jersey, noticia a CNN. Entre as vítimas mortais estão os dois suspeitos.

Já foi, no entanto, afastada a hipótese de terrorismo. A ABC News avança que a tese das autoridades era a de uma operação de transação de droga que correu mal. O incidente aconteceu em dois locais: um cemitério e um supermercado judeu. Foi no cemitério que o agente da polícia terá sido morto quando estava a tentar intercetar os dois suspeitos: um homem e uma mulher. Os atiradores terão depois fugido numa carrinha roubada e acabaram por se barricar num supermercado, onde dispararam contra polícia e civis. Na loja, foram encontradas cinco pessoas mortas: duas eram os suspeitos.

Os investigadores acreditam que a loja foi escolhida aleatoriamente e que o incidente não foi um crime de ódio. Numa conferência de imprensa ao final da noite desta terça-feira, a polícia esclareceu que está a analisar essa carrinha “que pode conter um dispositivo incendiário”.

O tiroteio, que começou por volta das 12h30 locais, causou ainda ferimentos em dois outros polícias e numa pessoa que se encontrava dentro da loja.

Foram fechadas 12 escolas na região por precaução na sequência deste incidente — mas já foram entretanto reabertas. A polícia pediu entretanto no Twitter que as pessoas se afastem daquela zona devido a um “tiroteio ativo”. No mesmo tweet, as autoridades informam que todos os serviços de autocarros para aquela zona foram suspensos.

Durante mais de uma hora, ouviu-se o som de vários disparos, sobrepostos uns aos outros, no bairro residencial de Greenville, como se pode ouvir em vídeos divulgados no Twitter:

Vários meios policiais foram mobilizados para o local, transformando aquele bairro residencial naquilo que o The New York Times descreveu como “uma zona de guerra”.  Entretanto, o Governador Phil Murphy já veio expressar os seus “pensamentos e orações” para com os “homens e mulheres da Polícia de Nova Jersey”.