A Área Metropolitana de Lisboa (AML) submeteu uma candidatura de 10 milhões de euros ao Programa Operacional Regional de Lisboa para melhorar o sistema de informação e de bilhética dos transportes públicos, foi esta quinta-feira anunciado.

Em comunicado, a AML avança que a candidatura a estes fundos, que podem vir a comparticipar em 50% até ao limite máximo de 4 milhões de euros, vai permitir “aumentar a robustez de todo o sistema de transportes, maximizando a eficácia do sistema tecnológico de informação e de bilhética e melhorando a qualidade do serviço prestado aos passageiros”.

Na base da candidatura, de acordo com o documento, está a criação de novos pontos de venda automática, bem como melhores soluções de pagamento e um sistema mais eficiente de informação multimodal.

A plataforma de gestão de bilhética integrada e de informação ao público que a AML pretende implementar é baseada “num sistema de serviços abertos que disponibilizarão dados dinâmicos, e em tempo real, e na implementação de mecanismos seguros para as transações relacionadas com a bilhética“.

A disponibilização de um conjunto de recursos informáticos que permitam a todos os interessados recolher informação e criar serviços associados à mobilidade está também contemplada na candidatura, cuja implementação, se viabilizada, ocorrerá até 2021.

Esta candidatura permitirá o financiamento de alguns sistemas que farão parte de uma plataforma integradora de soluções e de serviços tecnológicos para a mobilidade e para os transportes na área metropolitana de Lisboa.