O analista da consultora Economist Intelligence Unit (EIU) que segue a economia de Macau previu esta quinta-feira à Lusa que os protestos em Hong Kong vão continuar a não ter influência em Macau, que deverá manter-se politicamente estável.

“Não vemos grande impacto dos protestos de Hong Kong em Macau; a dinâmica política nos territórios é muito diferente, há um movimento muito mais local em Hong Kong, sustentado nos protestos, enquanto que, pelo contrário, essa dinâmica não se impôs em Macau, por isso esperamos que o grau relativamente alto de estabilidade política em Macau se mantenha nos próximos anos”, disse Nick Marro em entrevista à Lusa.

O analista da EIU que segue Macau disse que uma das prioridades do novo Governo de Macau será tentar diversificar a economia, apostando mais no jogo popular do que nas apostas de alto nível, o chamado jogo VIP. “É provavelmente uma tentativa para garantir um crescimento sustentável de longo prazo neste setor”, disse o analista, reconhecendo que apesar de Macau ser o principal destino do jogo mundial, as receitas têm descido muito este ano.

“Isto deve-se ao abrandamento da expansão da economia chinesa e à ansiedade que a guerra comercial com os Estados Unidos gerou” nos jogadores, afirmou, considerando que “ambos os fatores contribuíram negativamente para o fluxo de turistas chineses para Macau, o que teve um efeito nos casinos, e vai continuar a ter em 2020”.

Sobre a pataca, uma das últimas grandes heranças do tempo colonial português, Nick Marro não espera alterações à moeda de Macau. “A moeda é bastante estável, está indexado ao dólar de Hong Kong, que por sua vez está pegado do dólar norte-americano, e, portanto, há aqui um grau subjacente de estabilidade; não esperamos quaisquer alterações a este acordo, mesmo com a turbulência política que se vive em Hong Kong”, concluiu.