Já se encontra disponível o número 16 da revista Pessoa Plural — A Journal of Fernando Pessoa Studies, o último de 2019, sobre a receção internacional do poeta português que, em vida, procurou divulgar a sua obra além fronteiras, nomeadamente em Inglaterra, país com o qual tinha uma ligação especial devido à sua educação britânica. O editor convidado foi Antonio Sáez Delgado, da Universidade de Évora, que assina a introdução e o artigo em espanhol “Portugal y España: el siglo Pessoa”. A revista inclui ainda textos em inglês, francês e português.

Fernando Pessoa nasceu em 1888 e morreu em 1935. Passados 84 anos da sua morte, que se assinalaram a 30 de novembro, Pessoa é hoje um dos escritores portugueses com maior projeção internacional. É “exatamente por isso” que “se torna necessário sistematizar os esforços de receção inerentes a essas circunstâncias”, escreveu Sáez Delgado.

“São inumeráveis as traduções das suas obras nos mais variados contextos linguísticos e culturais, assim como os ensaios produzidos sobre o escritor; a presença dos seus títulos aparece como uma das referências internacionais mais importantes do século XX, em diálogo aberto por todo o mundo com a obra de um notável conjunto de escritores-leitores de Pessoa, que dialogam com o criador dos heterónimos e oferecem uma sobrevida às suas criações.”

Neste sentido, o número 16 da Pessoa Plural procura “esboçar um mapa (uma parte do mapa) de Pessoa no mundo (uma parte do mundo), com a consciência plena de que é um constante e limitado work in progress, mas, ao mesmo tempo, com a ambição de desenhar linhas que pretendem sistematizar a presença internacional de Pessoa, cuja definição e estudo começam a ser absolutamente necessários”, afirmou ainda o investigador do Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

A capa deste número da Pessoa Plural é uma ilustração de Ricardo Ranz, intitulada “El último partido de Fernando Pessoa”

A revista, co-editada pela Brown University, pela Universidad de los Andes e pela Warwick University, inclui 11 artigos dedicados à divulgação da obra pessoana na Europa e na América, “na esperança de que um próximo exemplar se possa aproximar do resto dos continentes, nomeadamente Ásia e África”. São cinco países europeus (Alemanha, Espanha, França, Hungria e Itália) e seis americanos (Argentina, Brasil, Colômbia, Estados Unidos da América, México e Peru), que “constituem o mundo de Pessoa”. De fora ficou um artigo sobre a receção de Pessoa no Reino Unido, que não foi finalizado a tempo de ser incluído, mas que poderá sair numa próxima edição.

Uma segunda parte desta Pessoa Plural é composta por artigos dedicados a outros temas, como uma adenda à coleção pessoana de Santo Tirso, da autoria de Jerónimo Pizarro, Fernanda Vizcaíno e Rui Sousa, um ensaio fotográfico de recitação de sonetos pessoanos, de Pedro Matos Soares e Carlos Pittella, e duas críticas literárias, uma à nova edição do Fausto e outra à edição trilingue dos Provérbios Portugueses.

Este número especial é dedicado a George Monteiro, que morreu no passado mês de novembro. Norte-americano de origem portuguesa, Monteiro era professor emérito de literatura portuguesa e brasileira na Brown University, nos Estados Unidos da América. Autor de mais de 30 obras, dedicou-se em especial ao estudo de Fernando Pessoa, tendo-se debruçado também sobre vários autores norte-americanos dos séculos XIX e XX, como Edgar Allan Poe ou Emily Dickinson.