Levar para casa champôs, sabonetes ou até as escovas de dentes que os hotéis disponibilizam pode ser comum entre alguns hóspedes, mas a lista dos bens mais roubados em hotéis está longe de se ficar por aqui. Segundo um estudo da WellnessHeaven, as toalhas, os robes e os cabides são os itens mais cobiçados pelos hóspedes.

Entre os hotéis de quatro e cinco estrelas, os comandos, televisões, luzes, máquinas de café, obras de arte e telefones fazem parte dos roubos mais peculiares. O espanto aumenta quando o estudo conclui que há cabeças de animais embalsamados e colchões entre as preferências dos hóspedes. Apesar de os últimos serem o objeto menos roubado (representando apenas 4,2% dos furtos), houve 49 hotéis que reportaram este furto em 2018, segundo a CNN.

Isso foi surpreendente para mim, porque é muito fácil para o hotel determinar que pessoa roubou, porque a empregada vai ao quarto depois do checkout e é fácil dizer se esse hóspede roubou a TV ou o colchão”, afirmou Tassilo Keilmann, CEO da Wellness Heaven, em declarações à CNN.

Mas roubar um objeto deste tamanho não é fácil. Segundo os hotéis, os roubos acontecem principalmente durante a noite, “quando a receção não está aberta, quando não há ninguém”, contou Keilmann, acrescentando que alguns hotéis “têm imagens de videovigilância que mostram os hóspedes a transportá-los para o elevador”.

Em relação às medidas, o estudo apurou que muitos dos hotéis de quatro estrelas colocaram dispositivos nos objetos que ativam os alarmes quando estes são roubados. Os hotéis de cinco estrelas, por outro lado, confrontam menos vezes os hóspedes e reportam menos vezes os roubos à polícia. “Muitas das vezes, eles [hotéis de cinco estrelas] não reportam o roubo à polícia, porque não querem ficar conectados a este”, esclareceu o CEO.

O estudo baseou-se nas respostas de 634 hotéis de quatro estrelas e 523 de cinco estrelas e detetou uma “diferença marcante” entre os dois tipos de hotel – computadores, televisões e colchões são mais roubados em hotéis de cinco estrelas, enquanto que os hóspedes dos hotéis de quatro estrelas têm mais tendência a roubar pilhas e comandos.