O grupo parlamentar da UNITA, maior partido da oposição angolana, solidarizou-se esta sexta-feira com a marcha programada, para sábado, por trabalhadores angolanos de centrais sindicais, em protesto contra o aumento do custo de vida.

A marcha organizada por trabalhadores filiados à União Nacional de Trabalhadores Angolanos (UNTA) — Confederação Sindical tem como objetivo reclamar pela perda do poder de compra dos salários, a precariedade do emprego e instar as autoridades a aplicarem medidas políticas de justiça social. Num comunicado distribuído à imprensa, o grupo parlamentar da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) refere que tem acompanhado “com apreensão o degradar da situação económica e social dos angolanos”.

Segundo a nota, os angolanos viram diminuídos os rendimentos das empresas, dos trabalhadores e das famílias, e perderam poder de compra face ao aumento exorbitante dos produtos da cesta básica, da criminalidade, a escassez de medicamentos, o mau atendimento nos hospitais.

A desvalorização da moeda, a débil distribuição de energia elétrica e água, a intransitabilidade nas estradas nacionais, secundárias e terciárias, entre outros problemas, também têm afetado os angolanos, descreveu a UNITA.

“Este estado de coisas tem aumentado a crise no seio das famílias angolanas, com consequências drásticas como a fome, a pobreza, o desemprego, o aumento de mortes por doenças evitáveis, que movem a consciência cidadã a levantar-se para exigir do executivo uma solução eficaz dos problemas que o país enfrenta”, sublinha-se na nota.

Nesse sentido, o grupo parlamentar da UNITA manifestou a sua solidariedade “com a luta dos trabalhadores filiados na UNTA-CS e as demais centrais sindicais, associações profissionais e cidadãos ávidos de uma melhoria da sua condição de vida, com saúde, paz, dignidade, progresso”. “Por isso, saúda e encoraja a marcha de protesto prevista para o próximo sábado, dia 14 de dezembro de 2019”, lê-se no comunicado.