A Opel desenvolve habitualmente programas de competição destinados a jovens pilotos, onde se incluem os Fórmula Opel, em que chegaram a correr alguns pilotos portugueses, e o mais recente Adac Opel Rally Cup, um troféu para pilotos de tenra idade disputado com os Adam com motor 1.6 a gasolina, transformados de acordo com as especificações R2.

Para a época de 2020, que arranca em Julho, a Opel está a desenvolver um novo carro de competição, mais de acordo com a moda actual. Trata-se do Corsa-e, o eléctrico do construtor alemão do Grupo PSA, preparado para provas de estrada, denominado Corsa-e Rally. O aspecto exterior não difere em nada da versão de série, o que é bom comercialmente, com a versão de competição a montar apenas vias mais largas, para melhorar o comportamento, e a recorrer a uma maior altura ao solo, com a finalidade de evitar impactos na zona inferior do chassi – para mais, onde estão as baterias – com as pedras que possam existir nos troços cronometrados.

Se o desenvolvimento do chassi não deve ter sido um problema, tanto mais que recorre à mesma base do Peugeot 208 e a marca francesa já tem desenvolvido a versão R2 do seu utilitário, já o mesmo não aconteceu com a mecânica, agora 100% eléctrica. Por uma questão de custos, dado a Opel pretender atrair os mais novos com um carro de competição acessível – o objectivo é comercializá-lo por cerca de mais 23.000€ do que a versão de série –, o Corsa eléctrico de ralis monta o motor de 136 cv e a bateria com 50 kWh que o modelo traz de origem.

Os Corsa-e Rally montam suspensões específicas e desenvolvidas para os diferentes pisos, especialmente terra e asfalto. O sistema de gestão do motor também foi adaptado à competição e em vez dos modos de condução de série, respectivamente Eco, com 82 cv, Normal (109 cv) e Sport (136 cv), os pilotos encontrarão Eco, Chuva e Competição, embora os valores de potência em cada um dos casos não tenha sido revelado. Sabe-se, sim, que a autonomia do Corsa-e Rally, no modo Competição, descerá para somente 60 km.