A próxima missão da SpaceX vai levar canábis para a Estação Espacial Internacional. A Front Range Biosciences, uma empresa que desenvolve tecnologia para a área da agricultura, vai aproveitar a viagem da cápsula Dragon a 20 de março para testar os efeitos da microgravidade na Cannabis sativa, uma espécie de canábis menos rica em tetraidrocanabinol (THC), que confere à planta um efeito psicoativo.

É a primeira carga conhecida da próxima missão da companhia privada de Elon Musk, depois de a empresa se ter encarregado de enviar para o espaço uma população de ratos geneticamente modificados que tinham músculos sobredesenvolvidos — tudo para perceber como é que se poderá colmatar o efeito das longas estadias no espaço no organismo humano.

Também a canábis será usada numa experiência científica que tem por objetivo perceber se a radiação espacial e a microgravidade têm algum efeito na expressão genética das plantas. Para isso, os astronautas vão plantar os ramos de Cannabis sativa a bordo da Estação Espacial e guardá-los durante 30 dias numa incubadora. Em terra, a BioServe Space Technologies — parceria da Front Range Biosciences — vai vigiar a reação genética das plantas ao espaço.

Segundo Jonathan Vaught, CEO da Front Range Biosciences, esta investigação é importante para saber como é que os agricultores podem adaptar as suas técnicas às alterações climáticas: “Devido ao aumento das temperaturas, existem muitos ambientes na Terra que são incapazes de suportar as culturas que antes prosperavam nessas regiões. Aprender como as plantas respondem a novos ambientes pode ajudar a produzir colheitas para prosperar em locais onde não tiveram desempenho no passado”, concluiu.