O Castelo de S. Jorge, em Lisboa, vai acolher a partir de terça-feira uma exposição de objetos e venda de produtos feitos em estabelecimentos prisionais e correcionais de todo o país.

“A partir de amanhã [terça-feira] vamos inaugurar na sala Ogival do Castelo de S. Jorge esta exposição muito particular chamada ‘Artes e Ofícios no Trabalho Prisional e Correcional’, uma iniciativa da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais”, adiantou esta segunda-feira à Lusa a presidente da EGEAC — Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural de Lisboa, Joana Gomes Cardoso. A mostra vai estar no Castelo de S. Jorge até ao dia 23.

De acordo com a representante, esta exposição pretende mostrar os objetos produzidos por reclusos maiores, mas também pelos menores que estão em centros correcionais de todo o país. “Nós, da EGEAC, achámos que o Castelo de S. Jorge era um sítio interessante [para acolher a mostra]. Desde logo pela sua dimensão simbólica como o monumento mais visitado do país, mas justamente por não se tratar apenas de um monumento. Queremos também que seja e é um instrumento de serviço publico ao serviço de todos e desta população que está mais condicionada”, realçou.

Joana Gomes Cardoso adiantou que os objetos que vão estar em exposição e à venda foram desenvolvidos pelos reclusos durante a formação profissional e a ocupação laboral. “Estamos a falar de vários objetos ligados à agricultura, marcenaria, cerâmica, entre outros, e que resultam de uma formação ao longo do ano naqueles estabelecimentos”, disse.

A exposição é inaugurada na terça-feira às 15h30, na Sala Ogival do Castelo de S. Jorge, com a presença da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem.