O primeiro-ministro colocou em 2016 como um dos seus principais objetivos o aumento do potencial de relações económicas entre Portugal e Índia e tem procurado atrair empresários indianos após a saída do Reino Unido da União Europeia.

Ao nível bilateral, as relações económicas entre os dois países ganharam impulso após a visita de Estado à Índia efetuada por António Costa em janeiro de 2016, tendo o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, estado em Portugal no ano seguinte.

De acordo com dados oficiais, entre 2014 e 2018, as exportações portuguesas de bens e serviços para a Índia registaram um crescimento de 48% e as importações de 36%, com saldo desfavorável para Portugal em 2018 na ordem dos 483 milhões de euros.

Apesar dos progressos na evolução das relações bilaterais, o executivo português considera que as relações económicas e comerciais com a Índia — país encarado como “um dos grandes mercados do futuro” —, têm-se mantido abaixo do seu potencial. Em 2018, a Índia foi o 45.º cliente de Portugal e o 19.º fornecedor, com um peso respetivamente de 0,20% e de 0,89% no total das vendas e compras portuguesas ao exterior. Numa conjuntura internacional de modesto crescimento económico, a Índia, porém, registou elevadas taxas de crescimento real, ultrapassado o crescimento da China entre 2014 a 2018 (segundo a OCDE, 5,8% em 2019 e 6,2% em 2020). Prevê-se que o país seja, a curto prazo, a 5.ª economia do mundo (em 2018 ficou na 7ª posição).

Desde que iniciou funções como primeiro-ministro, em novembro de 2015, António Costa pretende incentivar a penetração de empresas portuguesas na Índia e, por outo lado, sensibilizar os empresários indianos para investirem em Portugal. Antevendo a conclusão do processo de saída do Reino Unido da União Europeia, o líder do executivo português, em discursos que proferiu em cidades como Londres, com forte presença de investidores indianos, tem tentado apresentar vantagens as económicas se estas empresas conservarem “um pé” no mercado interno europeu.

Entre as empresas nacionais presentes na Índia, destacam-se a EFACEC, com parcerias locais na área da eletrónica; a Petrotec, com uma unidade de produção de bombas de combustível no Estado do Gujarat, de onde exporta para vários países; e a Visabeira com duas empresas e projetos para a construção de 3.500 km de fibra ótica e que interligará mais de 800 estações de rede móvel.

Além da Tekever, que tem uma parceria com um grupo indiano na área da defesa e segurança, uma das presenças mais significativas é a da Vision Box, que começou por ganhar um contrato para o fornecimento de equipamentos de registo e reconhecimento facial para o aeroporto de Bangalore e que se encontra em franca expansão neste mercado.

A Vision Box, além de Bangalore, tem em vista mais dois aeroportos: Cochim e Hyderabad. Tem neste momento um projeto-piloto em curso no aeroporto de Nova Deli, que é o maior da Índia e o décimo do mundo. Um projeto que, segundo o Governo português, pode vir a transformar-se em “mais um empreendimento de grande escala”, tornando a empresa “numa referência mundial”.

Em termos de desafios de curto e médio prazo, as empresas nacionais pretendem entrar no mercado indiano com produtos de origem animal e vegetal, embora o licenciamento de exportações e obtenção de certificados sanitários continue a ser um entrave.

Por outro lado, empresas nacionais querem ainda entrar no mercado da construção e obras públicas, já que se prevê que, até 2030, a Índia construa cerca de mil milhões de metros quadrados de novos edifícios comerciais e mais de três mil milhões de novos edifícios residenciais.

No plano consular, segundo fonte diplomática nacional, a esmagadora maioria dos portugueses residentes na Índia possui a dupla nacionalidade (86,8%), embora as autoridades indianas não reconheçam o estatuto de binacional. Já a comunidade indiana em Portugal, de acordo com dados consulares, é composta por 11393 indivíduos, tendo registado um crescimento de 127,3% em relação a 2017.