O candidato à presidência da Guiné-Bissau Domingos Simões Pereira assistiu esta segunda-feira à inauguração de uma mesquita em Bafatá, leste do país, onde conversou com os anciões sobre a importância da tolerância entre as diversas religiões no país.

Simões Pereira aproveitou o convite para assistir à inauguração da mesquita do bairro 3 de Bafatá, a segunda capital da Guiné-Bissau, e na presença de vários líderes religiosos e anciões muçulmanos para lhes exortar sobre a necessidade de desencorajarem as divisões no país por questões políticas.

“Quando alguém vier com discursos ou palavras que possam incitar a divisão entre nós, apelo aos nossos anciões, os nossos sábios, para dizerem a essa pessoa que isso não tem lugar na nossa sociedade”, pediu Domingos Simões Pereira.

O candidato católico, que disputa a segunda volta das presidenciais guineenses, contra Umaro Sissoco Embaló, muçulmano, frisou na sua intervenção, que “muita gente quer confundir” a opinião pública pelo facto de terem nascido de uma família islâmica para logo se considerarem muçulmanos.

Domingos Simões Pereira pediu a Deus que perdoe “os irmãos guineenses” que estão a usar o discurso de divisão com base na religião ou na etnia e considerou que aqueles “não são tementes a nada”.

“Peço aos anciões de Bafatá e de toda a Guiné-Bissau que nos ajudem a acabar com este tipo de discurso, para que nos possamos concentrar no desenvolvimento do nosso país”, disse Simões Pereira.

Antes de o candidato usar da palavra, um ancião presente na cerimónia afirmou, em nome dos demais, que acredita que Domingos Simões Pereira será o próximo Presidente da Guiné-Bissau a quem pede que traga universidade para os jovens e “melhor saúde para os homens e mulheres” grandes de Bafatá.

O ancião afirmou que os pais dos jovens de Bafatá “estão cansados” de pagar as escolas particulares e ainda têm dificuldades financeiras para mandar os filhos estudar em Bissau.

Mais de 760.000 guineenses votam dia 29 para escolher o próximo Presidente da Guiné-Bissau entre Domingos Simões Pereira, candidato apoiado pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), e Umaro Sissoco Embaló, apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15).

A campanha eleitoral, que começou na sexta-feira, vai decorrer até ao dia 27.