A agência de rating Moody’s tem perspetivas “negativas” para o setor automóvel em 2020, com a evolução da procura de veículos ligeiros a manter-se “lenta” a nível global, de acordo com um comunicado hoje enviado.

“A nossa perspetiva [outlook] para os fabricantes globais de automóveis é negativa, tendo por base a projeção que temos de uma queda de 0,9% nas vendas de veículos ligeiros, depois de uma redução estimada de 3,8% em 2019”, lê-se na mesma nota.

A Moody’s acredita que a procura será influenciada pelo crescimento económico “enfraquecido” em “mercados-chave”. De acordo com a agência, é esperado uma desaceleração do Produto Interno Bruto (PIB) chinês e dos países que compõem o G-20.

Para o mercado europeu, a Moody’s prevê que os fornecedores do setor automóvel tenham um ano mais negativo, tendo em conta a queda nas vendas, um crescimento fraco e margens de lucro diminuídas. Na Europa Ocidental, a queda nas vendas de veículos ligeiros deverá atingir os 3%, um valor superior à estimativa da agência para 2019, de 2%, segundo o comunicado. Para o mercado norte-americano, a agência tem uma perspetiva também negativa, sobretudo devido a queda na produção em algumas classes de veículos comerciais.

A agência relembra ainda as tensões comerciais, incluindo a ideia americana de impor tarifas de 25% às importações nesta área, que ainda não aconteceram. “O investimento em veículos elétricos e em tecnologia de condução autónoma estão também a ter um impacto nos resultados financeiros e na qualidade de crédito das empresas”, referiu a Moody’s, lembrando que a União Europeia irá começar, em 2020, a introduzir limites mais apertados para as emissões.