Por enquanto, a venda de veículos eléctricos está fortemente condicionada pela política de incentivos aplicada em cada mercado. Se dúvidas existem, basta ver o caso da Alemanha que, mal reforçou os estímulos à aquisição deste tipo de automóveis, logo viu a procura crescer. A ponto de, pela primeira vez em nove anos, se perfilar como o primeiro mercado europeu para esta classe de viaturas, superando a até agora líder Noruega.

A Oriente, repete-se o quadro. A China acumula o estatuto de maior mercado do mundo de automóveis com o de ser, também, o que mais consome veículos electrificados. Contudo, neste particular, está prestes a fechar 2019 no negativo.

De acordo com os dados fornecidos pela Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis, Novembro foi o quinto mês consecutivo em que o mercado local de automóveis electrificados sofreu uma severa contracção. Os números apontam para uma queda de 44% nas vendas, face a Novembro de 2018, tendo-se transaccionado apenas 95.000 veículos eléctricos (BEV) e híbridos plug-in (PHEV). Deste total, 81.000 matrículas referem-se a modelos puramente eléctricos, com os PHEV a reclamarem a restante fatia (14.000 unidades), acusando uma queda de 54%.

Este recuo nas vendas de BEV e PHEV explica-se, em grande parte, pela retirada de incentivos por parte do Governo chinês que, depois de subsidiar fortemente este tipo de veículos desde 2009, entendeu que a tecnologia já estaria suficientemente madura para competir, com apoios bem mais reduzidos, com os rivais a combustão. Recorde-se que o Governo de Pequim optou por retirar gradualmente, os benefícios que concedia a veículos electrificados.

Ainda assim, no acumulado do ano, os dados são positivos, pese embora o crescimento seja mínimo. Entre Janeiro e Novembro de 2019, foram vendidos na China 1,04 milhões de veículos electrificados, mais 1,3% a que em 2018. Deste total, 832.000 unidades correspondem a BEV (+5,2%) e 210.000 fazem-se representar pelos PHEV (-12%). Se Dezembro confirmar a tendência verificada nos últimos cinco meses, a venda de veículos electrificados na China vai acusar um retrocesso face a 2018, ano em que as vendas de automóveis electrificados no gigante asiático alcançaram 1,26 milhões de unidades, correspondentes a um crescimento de 62%.