O filme “Variações”, de João Maia, foi selecionado pela Academia Portuguesa de Cinema para representar Portugal na 62.ª edição dos prémios ibero-americanos Ariel, a realizar no México, em 2020, anunciou esta quarta-feira academia.

Com 278.000 espetadores, “Variações” bateu o recorde de filme português mais visto nos cinemas em 2019, lembra a academia. Até novembro, e de acordo com as estatísticas mensais do Instituto Nacional de Estatística divulgadas no passado dia 10, o trabalho protagonizado por Sérgio Praia já fora visto por 277.864 pessoas

Os Prémios Ariel são atribuídos no México desde 1946 e visam distinguir o cinema mexicano e ibero-americano. “Variações” é protagonizado pelo ator Sérgio Praia que, além da interpretação física do músico, também canta todas as canções, recriando as sessões de composição e gravação embrionária dos temas em várias cassetes — sozinho em casa com um gravador e uma caixa de ritmos — até à primeira atuação de Variações, na discoteca Trumps, em Lisboa, em 1981.

Além de Sérgio Praia, o elenco inclui, entre outros, Filipe Duarte, Victoria Guerra, Augusto Madeira, Filipe Albuquerque, Lúcia Moniz, Afonso Lagarto, Maria José Paschoal, José Raposo e Dinarte Freitas.

O filme foca-se sobretudo na transformação de António Ribeiro em António Variações, num período de vida entre 1977 e 1981, a época em que um barbeiro ambicionava viver da música, gravava canções em cassetes e ensaiava com músicos amadores, muito antes de editar oficialmente qualquer canção. “Variações” estreou-se nos Estados Unidos da América, no passado dia 09, com a presença do realizador João Maia, tendo repetido, no dia 12, no âmbito de uma programação sobre cinema europeu organizada pelo Instituto do Cinema dos Estados Unidos.

O programa, que vai na 32.ª edição, começou no dia 03 e decorrerá até ao dia 22 com 46 filmes europeus, numa seleção que inclui produções premiadas, que lideraram bilheteiras, primeiras obras, filmes que fazem estreia nos Estados Unidos e Canadá e que foram considerados elegíveis para uma nomeação para os Óscares. “Variações”, que de forma efabulada conta o percurso de transformação de António Joaquim Rodrigues Ribeiro, nascido em Amares, em 03 de dezembro de 1944, no artista António Variações, que morreu em Lisboa, em 13 de junho de 1984.