O Presidente francês está disposto “a melhorar” a proposta de reforma do sistema de pensões, contestada através de greves e manifestações desde há duas semanas, admitiu esta quarta-feira a presidência, antes de reuniões entre governo e parceiros sociais.

O chefe de Estado francês “não vai deixar cair o projeto”, mas “está disposto a melhorá-lo, com base em negociações com os sindicatos”, explicou a presidência, admitindo que haverá “progressos até ao final da semana”.

O primeiro-ministro, Edouard Philippe, recebe esta quarta-feira à tarde — acompanhado pelo novo “senhor reformas” do governo, Laurent Pietraszewski, que substitui Jean-Paul Delevoye depois da demissão deste na segunda-feira — os líderes sindicais e os patrões, na tentativa de encontrar uma saída para a crise.

A proposta de reforma do sistema de pensões tem provocado muita contestação em França, tendo levado a uma greve geral na terça-feira que fechou escolas, deixou hospitais a meio gás e paralisou os transportes.

Greve geral em França afeta escolas, hospitais, transportes — e a torre Eiffel

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nas últimas duas semanas, os trabalhadores do setor dos transportes, além de outros serviços, têm estado em greve e a situação ameaça manter-se até ao final do ano.

França. Sindicatos deixam presente envenenado para o Natal de Macron: uma greve sem fim à vista

Segundo a presidência, Emmanuel Macron pretende nomeadamente “obter uma folga” da mobilização “durante a temporada de festas” do final do ano.

Macron está disponível para melhorar aspetos como a idade prevista para reforma, que a proposta atual passa dos atuais 62 para os 64 anos a fim de equilibrar o sistema financeiro. A proposta prevê também que os trabalhadores que se aposentarem antes dessa idade sofrerão uma redução nas suas pensões, enquanto os que saírem mais tarde da vida ativa terão um “bónus”.

A proposta é considerada “inaceitável” pelos sindicatos, nomeadamente pelo CFDT, o maior sindicato francês, que, apesar de ser a favor da unificação dos atuais 42 sistemas de pensões, colocou a idade prevista para reforma como “uma linha vermelha”.