O primeiro-ministro afirmou na quarta-feira que Portugal vai “colaborar” ativamente com a futura presidência alemã da União Europeia na organização da cimeira institucional entre União Europeia e África e recusou a ideia de ter perdido este evento.

Não é uma questão de perder, é uma questão de calendário, porque essas reuniões devem realizar-se de dois em dois anos. Os dois anos terminam em 2020 e, como tal, é no próximo ano que se deve realizar essa cimeira”, respondeu António Costa.

António Costa assumiu esta posição depois de questionado pela agência Lusa se a presidência portuguesa, no primeiro semestre de 2021, ficou sem uma das suas principais bandeiras, depois de se saber que caberá à presidência alemã organizar a cimeira entre a União Europeia e África — uma cimeira cujo formato será institucional e não com a presença de chefes de Estado e de governo dos dois continentes.

Sobre esta questão, o primeiro-ministro disse mesmo que Portugal está “a colaborar inteiramente com a presidência alemã e com o presidente do Conselho Europeu [Charles Michel] para a organização dessa cimeira”.

“Para que, depois, a presidência portuguesa faça o trabalho de sequência e de desenvolvimento dessa cimeira, que terá lugar no final de 2020. É esse trabalho de continuidade que iremos fazer. Vamos colaborar ativamente com a Alemanha e, sobretudo, depois, dar um impulso às decisões da cimeira com África. A cimeira é um momento, mas o mais importante é a execução das decisões” alegou o líder do executivo português.

Ainda no que respeita à cimeira com África, António Costa afirmou que “não havia qualquer razão para adiar essa cimeira prevista para o final de 2020 só para se realizar na presidência portuguesa [no primeiro semestre de 2021]”.

“Não temos essa visão. A nossa contribuição para a União Europeia não está limitada a sermos ponte com África e temos muitas outras funções a realizar no quadro da União Europeia”, argumentou ainda. Por outro lado, de acordo com António Costa, as relações entre a União Europeia com África “não se limitam à realização da cimeira”.

Para além da cimeira, há vastos domínios, como a negociação de todo o pacote de acordos entre a União Europeia e África, ou as relações de África com o Banco Europeu de Investimento”.

“A África continua a ser uma prioridade, quer para Portugal, quer, felizmente, para a União Europeia. Na nossa presidência não haverá cimeira, mas haverá vários outras formas de expressar a nossa prioridade em relação a África”, acrescentou o primeiro-ministro.