O Tribunal de S. João Novo, no Porto, condenou Laura Argentina, de 48 anos, a dois anos e seis meses de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, por ter tentado raptar uma bebé no Hospital de São João, no Porto, em fevereiro. Foi acusada do crime de sequestro agravado de forma tentada. Terá ainda de pagar uma indemnização de dois mil euros aos pais da bebé.

“É um ato sem justificação. Ainda para mais, é mãe e avó. Mesmo assim, não mostrou qualquer arrependimento, nem pediu desculpas aos pais que sofreram com toda a situação”, disse a juíza Ana Paula Oliveira, citada pelo Correio da Manhã. Laura Argentina manteve-se em silêncio durante o julgamento.

“O tribunal deu como provado que a 02 de fevereiro entrou no Hospital S. João, disfarçada com uma bata e levando mochila e casaco, com um propósito. A arguida quis levar o recém-nascido e só não o fez por causas alheias à sua vontade”, referiu ainda a juíza.

Mulher detida depois de tentar raptar bebé no Hospital de São João do Porto

Laura Argentina, de Vila Nova de Gaia, simulou uma gravidez e falsificou ecografias para tentar reatar uma relação com um ex-companheiro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em fevereiro, entrou “de forma não apurada” na obstetrícia do S. João, chegou a um quarto do hospital, fingindo ser médica e pegou na criança. O pai desconfiou e questionou-a. Com receio de ser descoberta, a mulher entregou o bebé e saiu do quarto. Foi detida pouco depois, quando procurava o serviço de neonatologia.