Os fabricantes de automóveis andam sempre à procura de formas para tornarem os seus veículos mais apelativos e atraentes e a estética é sempre o trunfo principal. A mais recente opção estilística da BMW levou o fabricante alemão a optar por grelhas frontais de dimensões king-size, ferindo as susceptibilidade de alguns. Daí que Peter Henrich, responsável pelo produto na marca bárava, tenha sentido necessidade de vir a público defender a opção.

Independentemente de virem a ser um sucesso ou não – e só o tempo responderá a esta questão –, as grelhas gigantescas são uma opção ousada da BMW, mas estão longe de serem as primeiras a motivar “debates”. É bom recordar que o actual responsável pelo design na marca de Munique, o holandês Adian van Hooydonk, trabalhou longamente sob a batuta de Chris Bangle, o estilista que desenhou alguns dos BMW mais discutíveis, mas igualmente com maior sucesso comercial. Um deles foi a 5ª geração do BMW Série 5, à venda entre 2003 e 2010, assinado por Bangle. Foi recebido com esgares de desconfiança, quando chegou ao mercado, mas acabaria por se revelar um dos maiores sucessos da marca, sem ter recebido um único restyling ao longo dos seus oito anos de vida. Isto demonstra que, até um certo nível, um design polémico é bom, desde que tal se deva à personalidade.

A BMW revelou, um pouco a medo, diga-se de passagem, a estratégia para os seus futuros modelos, o que em parte passa por desenhar frentes com o tradicional “duplo rim” maior e mais vertical. A solução foi testada num protótipo, para medir a receptividade do público durante o último Salão de Frankfurt, e se bem que tenha reunido um conjunto de detractores, granjeou igualmente um conjunto de fãs, pois de contrário não avançaria para a produção em série.

Em resposta às críticas, o responsável pelos veículos dentro da BMW, Peter Henrich, declarou estar convencido que os novos elementos estilísticos da marca bávara reflectem a filosofia da marca e são o futuro. “Os nossos clientes querem exprimir qualquer coisa e não têm medo de veículos com personalidade forte”, afirmou Henrich, numa entrevista à Autocar, salientando ainda que Hooydonk fez um excelente trabalho.

Ter um director de uma marca louvar o trabalho de um colega vale o que vale, pelo que o melhor mesmo é avançar sem medo e propor o primeiro modelo com a nova frente, ornamentada com a grelha king-size. Aparentemente, será o M3 e se o familiar desportivo estiver à altura dos seus antepassados, certamente não haverá problema em que seja aceite pelos fãs da marca.