Esta segunda-feira, a arquiteta Cátia Meirinhos, da empresa municipal Go Porto, explicou com detalhe as razões do atraso nas obras de requalificação do Bolhão, garantindo que os trabalhos estão a decorrer e nunca estiveram parados.

“Foram verificadas ao longo da empreitada algumas alterações a nível do solo, questões geotécnicas da morfologia do terreno, diferentes do que inicialmente tínhamos conhecimento, o que obrigou ao desenvolvimento de novas sondagens geológicas e novos estudos para reavaliar o terreno”, começou por dizer aos vereadores na última reunião de câmara deste ano. Foi desta forma que se chegou à conclusão de apresentar uma solução alternativa que “permitisse minimizar o impacto e os atrasos”.

Tal como tinha explicado o presidente da câmara do Porto, na passada sexta-feira, o atraso deve-se a uma “dupla circunstância — solo diferente e ainda mais instalável e galerias mais degradadas”, aconselhando, por razões de segurança, uma abordagem diferente quanto ao método construtivo” na contenção e construção da cave.

“Em primeiro lugar porque, apesar do desvio do curso da água, os níveis freáticos do terreno continuam a ser mais elevados do que aquilo que se pensou ser tecnicamente possível. Por outro lado, concomitantemente, verificou-se que o estado de degradação das galerias superiores era, afinal bastante mais grave do que era possível apurar a partir dos estudos preliminares”, disse na conferência de imprensa da passada sexta-feira.

A CDU, pela voz de Vítor Vieira, mostrou preocupação relativamente ao nível freático superior ao esperado e que efeitos poderá esse cenário ter na envolvente. “Acho que não há motivos de alarme. O nível freático que estamos a falar condiciona os trabalhos planeados, não significa que vá agravar as condições da envolvente, tem a ver apenas com o método de execução previsto”, justificou a arquiteta da Go Porto.

Requalificação do Mercado do Bolhão no Porto vai durar mais um ano do que previsto

Também nas galerias superiores se notou “inúmeras patologias” que se prendem essencialmente com o estado das armaduras, bastante deterioradas e degradadas, o que também foi alvo de uma mudança do método construtivo. “Teve de ser desenvolvido um projeto de demolição e a recuperação total das galerias, preservando a traça e o seu aspeto original.”

Uma preocupação levantada pelo socialista Manuel Pizarro, que questionou se a alteração das galerias colocaria em causa o seu valor patrimonial. “Houve um levantamento exaustivo arquitetónico das galerias, de todos os seus pormenores (…) as galerias serão reconstruidas na íntegra, o objeto vai continuar tal e qual como ele é hoje”, garantiu a arquiteta.

Já a vereadora do PS Odete Patrício quis saber o impacto financeiro da “derrapagem temporal prevista” que, segundo a arquiteta, “não atinge sequer os 3% do valor da empreitada”. “Estamos a falar de aproximadamente 600 mil euros num orçamento de 22 milhões”, respondeu Cátia Meirinhos, sublinhando que o valor inclui toda a alteração do projeto, ou seja, a construção da cave, demolição e reconstrução da galeria.

No entanto, não se sabe ainda quem irá suportar este acréscimo. “Essa é uma análise que não podemos fazer neste momento. O que foi apresentado foi a alteração à metodologia construtiva do projeto, numa fase posterior irá falar-se sobre responsabilidades, quer do dono da obra ou do empreiteiro, consoante estes estudos”, adiantou a arquiteta.

Obras no Bolhão. “Pior Natal de sempre” traz milhares de euros de prejuízo aos comerciantes

A solução encontrada é, segundo Cátia Meirinhos, uma alternativa mais célere, apesar do atraso, e com maior facilidade de execução relativamente à que estava inicialmente prevista. Perante o novo planeamento, a data prevista de conclusão dos trabalhos é para meados de 2021.

Rui Moreira deixou claro que “o projeto, no seu âmago, finalidade, resultado final, mantém-se inalterado”, não sofrendo qualquer alteração “a traça do edifício e das suas características”. O autarca reconhece, no entanto, que a obra será atrasada um ano relativamente ao previsto na adjudicação, mas sublinha que seria mais morosa caso se mantivesse o método inicialmente previsto.

Já a construção do túnel de acesso à cave, empreitada autónoma da obra de reabilitação do Mercado do Bolhão, “não sofreu, desde a sua adjudicação, qualquer atraso, pelo que o trânsito pedonal será retomado na rua da Formosa em fevereiro e a circulação automóvel reposta em setembro”, revelou o autarca que sublinhou que estes prazos foram sempre comunicados aos comerciantes.

Rui Moreira lembrou ainda a complexidade da obra, num edifício centenário que nunca recebeu qualquer intervenção de fundo, deixando claro que embora haja prazos legais e autarquia os faça cumprir, ignorar as circunstâncias “muito particulares” desta obra era ignorar as evidências históricas e a experiência em intervenções em património classificado.