Seria só mais uma presença (generosamente paga) num festival de música mas rapidamente a hashtag #mdlbeastbrandambassador tornou-se particularmente embaraçosa para a parada de estrelas que fez as vezes de embaixadoras do evento MDL Beast Festival, realizado em Riad, no passado dia 21 de dezembro.

Atenta aos mais pequenos deslizes e incongruências no mundo da moda, a conta Diet Prada, que soma mais de 1.6 milhões de seguidores que acompanham o seu trabalho de deteção das apropriações culturais, plágios e outros passos em falso da indústria, aponta o dedo à legião de influenciadoras que rumaram à Arábia Saudita. Várias alinharam na promoção do evento, casos das manequins Irina Shayk, Joan Smalls, Elsa Hosk ou Stella Maxwell e ainda de uma série de outros nomes bem familiares no Instagram, sem esquecer atores como Armie Hammer e Ed Westwick.

As críticas são explicadas com a ausência de menção aos registos mais negros no historial daquele país, no que aos direitos humanos diz respeito. Acusadas de receberem dinheiro a troco da reabilitação da imagem saudita, e com o caso Jamal Kashoggi em pleno pano de fundo, a Diet Prada expõe uma montagem com as “supermodelos, influenciadoras, celebridades e músicos que se reuniram em Riad para a inauguração do MDL Beast”, uma espécie de mural da vergonha.

A conta recorda ainda outros casos recentes, como o do jornalista saudita que assumiu a sua homossexualidade (considerada crime e punida com a pena máxima naquele país), revelação que lhe valeu ameaças de morte, a si e à sua família, ou o da prisão da ativista dos direitos das mulheres Loujain al-Hathloul, em maio de 2018. “A Arábia Saudita gastou biliões a tentar alterar a sua imagem no ocidente mas esta é de longe a mais cara campanha jamais feita”. Referem ainda que algumas stories partilhadas no Instagram da modelo transgénero @teddy_quinlivan mostram como a sua amiga @emrata, ou Emily Ratajkowski, recusou esta viagem. “É muito importante para mim tornar claro o meu apoio aos direitos das mulheres, à comunidade LGBT, à liberdade de expressão e ao direito de uma imprensa livre”, defendeu a manequim, em declarações à Diet Prada.

A press viagem envolveu um almoço e uma visita à cidade histórica de Diriyah. Na imagem, Joan Smalls, Victoria Brito, Armie Hammer, Twan Kuyper e Neels Visser © Daniele Venturelli/Daniele Venturelli/Getty Images

Outros meios dão conta da polémica que envolve aquele que foi anunciado como um grande evento de eletrónica (com nomes como David Ghetta ou Steve Aoki a destacarem-se no cartaz), com o britânico The Guardian a apontar anteriores campanhas promovidas pelos sauditas e que geraram controvérsia — em setembro, o país anunciou a sua intenção de abrir as portas ao turismo num incentivo à diversidade.