A Sata Air Açores realizou esta segunda-feira mais dois voos do que o previsto “com a colaboração” do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil  (SINTAC), no último dia de greve dos técnicos de manutenção de aeronaves, disse fonte da empresa.

O porta-voz do grupo SATA, António Portugal, declarou à agência Lusa que os voos acordados entre ambas as partes contemplaram as ligações Terceira-Flores e Ponta Delgada-São Jorge.

Os técnicos de manutenção de aeronaves da SATA Air Açores manifestaram esta tarde disponibilidade para suspender a greve, visando permitir que os passageiros em terra chegassem a casa antes do Natal.

António Portugal referiu que a SATA espera escoar terça-feira os cerca de 60 passageiros que ainda se encontram em Ponta Delgada com destino a São Jorge, bem como à Terceira, tendo durante o dia de segunda-feira sido assegurados os 22 voos ao abrigo dos serviços mínimos decretados.

O dirigente do SINTAC, Filipe Rocha, disse, por seu turno, também à agência Lusa, que a paralisação dos trabalhadores atingiu esta segunda-feira os 100%. O sindicalista declarou que não estão, para já, previstas novas greves na SATA Air Açores para “dar uma oportunidade” ao novo presidente do Conselho de Administração, Luís Rodrigues, que toma posse em janeiro.

O sindicalista referiu que após estes três dias de greve dos técnicos de manutenção de aeronaves da SATA Air Açores, que esta segunda-feira terminam, o SINTAC vai proceder a um balanço deste ciclo de luta e “reequacionar a situação”, estando “expetante em relação ao novo Conselho de Administração”.

Os trabalhadores já se encontravam em greve à realização do trabalho noturno a efetuar das 24h00 às 8h00, bem como à prestação de trabalho extraordinário, desde 28 de outubro. O grupo SATA fechou 2018 com um prejuízo de 53,3 milhões de euros, um agravamento de 12,3 milhões face ao ano de 2017.

De acordo com o relatório de contas do primeiro semestre de 2019, o grupo registou prejuízos de 26,9 milhões de euros na Azores Airlines e de 6,6 milhões na SATA Air Açores nos primeiros seis meses do ano.