Em 1976 surgiu um dos mais espectaculares Porsche de sempre: o 935. Destinado à competição, este modelo era baseado no 911 Turbo de então, conhecido como 930 Turbo, sendo transformado de acordo com a regulamentação de Grupo 5, que permitia grandes liberdades aos engenheiros, para a mecânica, e aos técnicos dos túneis de vento, para moldar a carroçaria. As suas linhas eram de tal forma marcantes e atraentes que não faltaram versões de estrada do 911 com grandes semelhanças com o modelo de competição. Mas há um segundo motivo que torna este 935 ainda mais curioso e tem tudo a ver com a mecânica montada.

Bisi Ezerioha, o dono da Bisimoto, é um especialista na transformação de veículos e, também ele, um fã do 935. Só que, em vez de montar o motor original no Porsche de corridas, o seis cilindros opostos com 3,3 litros biturbo, que fornecia quase 900 cv, montou um motor eléctrico alimentado por uma bateria. Obviamente o interior do 935 de Bisi não é tão espartano como os modelos de competição, antes pelo contrário, pois a ideia foi criar um desportivo eléctrico para usar todos os dias.

O motor de 645 cv é alimentado por duas baterias, uma colocada à frente e outra mais atrás, de forma a distribuir o peso o mais equilibradamente possível pelos dois eixos, o que o construtor germânico nunca conseguiu nos carros de série. Contudo, seja para reduzir o peso ou para controlar os custos, as baterias somam um total de somente 32 kWh, o que lhe limitará a autonomia a não mais de 150 km, desde que nunca acelere a fundo.

O 935 de Bisi, denominado Bisimoto K3V, parece um dos veículos que acumulou vitórias nos anos 70, saído directamente da grelha de partida para as 24 Horas de Le Mans da época, com roll-bar completo e tudo. Veja aqui como funciona: