O Arsenal tinha ganho apenas um dos últimos nove jogos na Premier League quando se deslocou a Liverpool para defrontar o Everton. Empatou sem golos, manteve essa senda de maus resultados mas nem isso foi capaz de travar elogios para aquilo que foi descrito como uma “melhoria” – a forma como a equipa defendeu melhor. Esta era um fiel retrato da temporada dos gunners, que chegavam ao Boxing Day no 11.º lugar a nove pontos dos lugares que dão acesso à Liga dos Campeões. Esta era a equipa que Mikel Arteta iria pegar como treinador apenas três anos depois de ter terminado a carreira no clube e se ter juntado a Pep Guardiola como adjunto do Manchester City.

Mikel Arteta oficializado como treinador do Arsenal até 2023

“Não falámos muito sobre a nossa qualidade ou táticas, ele disse apenas que queria ver jogadores a correr, a apoiar os seus companheiros, a defender a sua baliza, a jogar como equipa. E percebemos essa mensagem no jogo com o Everton”, confidenciou o guarda-redes Leno após o último encontro com o interino Freddie Ljundberg, que ocupou a prazo a vaga deixada por Unai Emery. “Temos de mostrar mentalidade, temos de jogar um bom futebol e então surgirão as oportunidades. Se falarmos apenas de táticas e do que era feito no passado, não interessa. A única forma de melhorar é trabalhar e ter uma boa mentalidade, assim acredito que poderemos atingir os nossos objetivos”, comentou Arteta antes da partida de estreia fora com o Bournemouth.

Essa tem sido uma das ideias mais defendidas pelo antigo médio no regresso ao clube, a de que “a paixão é algo inegociável no futebol”, muito à semelhança da linha de pensamento de Guardiola. E essa foi também uma das principais mudanças na equipa do Arsenal, que voltou a contar nas escolhas iniciais com Mesut Özil. “Escolhi a equipa que está melhor neste momento em relação ao que queremos perante o adversário. Ele tem estado a treinar muito bem, veremos que tipo de exibição consegue produzir”, comentou o técnico estreante.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O internacional alemão de 31 anos que passou por Schalke 04, Werder Bremen e Real Madrid antes de chegar a Londres em 2013 continua a ser protagonista por variados motivos. Esta semana, o médio ofensivo anunciou nas suas redes sociais de que já tinham sido feitas 219 operações a crianças das mil que prometeu na altura do seu casamento, em junho. “São cirurgias que mudarão a vida de crianças necessitadas de todo o mundo”, disse, numa altura em que é também notícia pelo veto da China após ter contestado as ações contra a população Uighur – o que valeu a saída dos jogos FIFA e PES 2020, além do “boicote” aos encontros do Arsenal no país.

Vídeo mostra como Mesut Özil foi vítima de tentativa de carjacking. Colega Kolasinac lutou com os homens

No campo, as coisas são diferentes e a influência que teve nos tempos áureos de Real Madrid e Arsenal está hoje bem longe do que era, como se viu em mais 75 minutos desinspirados que prolongaram para 910 minutos em 12 encontros o arranque de temporada 2019/20 sem um único golo. E também o Arsenal não foi além de um empate frente ao Bournemouth, que até começou a ganhar com o 1-0 apontado por Dan Gosling aos 35′ antes de Pierre-Emerick Aubameyang fazer o empate já no segundo tempo (63′) que manteve a série de maus resultados.