456kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Polícia de Hong Kong detém manifestantes pró democracia. É o terceiro dia consecutivo de protestos em centros comerciais

Este artigo tem mais de 2 anos

Vários manifestantes foram detidos pela polícia nos "protestos de Natal" em Hong Kong, mas não se sabe o número total. É o terceiro dia consecutivo de protestos em centros comerciais.

Os manifestantes tentaram sensibilizar os comerciantes a aderir aos protestos do dia de Ano Novo
i

Os manifestantes tentaram sensibilizar os comerciantes a aderir aos protestos do dia de Ano Novo

JEROME FAVRE/EPA

Os manifestantes tentaram sensibilizar os comerciantes a aderir aos protestos do dia de Ano Novo

JEROME FAVRE/EPA

Manifestantes pró-democracia foram detidos, esta quinta-feira, em Hong Kong, na altura em que se encontravam num centro comercial do centro da cidade, onde se realizaram protestos nos últimos dias.

De acordo com a estação de televisão RTHK, citada pela Reuters, os manifestantes —  com máscaras e tinham bandeiras pretas —, reuniram-se no centro comercial da zona de Tai Po, centro da ilha de Hong Kong, com intenção de retomar os “protestos de Natal”. Não se sabe, no entanto, o número total de detidos.

Esta quinta-feira, as detenções decorreram de forma pacífica. Os ativistas concentraram-se nos estabelecimentos comerciais no interior do edifício — alguns restaurantes e lojas até baixaram as persianas com a passagem dos manifestantes — e entoaram palavras de ordem como: “Liberdade para Hong Kong” e “Dissolvam a Polícia Imediatamente”.

Os manifestantes tentaram sensibilizar os comerciantes a aderir aos protestos do dia de Ano Novo que estão a ser organizados pela Frente Civil de Direitos Humanos, o organismo considerado ilegal pelas autoridades e que tem convocado as marchas e protestos na Região Administrativa e Especial de Hong Kong.

Hong Kong. 5 respostas para perceber os protestos que levaram um milhão à rua

Tratou-se do terceiro dia consecutivo de protestos que, segundo o jornal South China Morning Post, tentou demonstrar descontentamento em relação aos comerciantes que apoiam o governo central da República Popular da China. Nos últimos dias, os protestos ficaram marcadas por confrontos em centros comerciais, mas o desta quinta-feira não foi tão grande. Na quarta-feira, a polícia recorreu a gás lacrimogéneo e gás pimenta para dispersar os manifestantes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A chefe do governo local, Carrie Lam, publicou na noite de terça-feira um comunicado em que considera os manifestantes “insensatos e egoístas” por terem “arruinado” as celebrações de Natal, afetando a atividade comercial do território.

Os protestos em Hong Kong intensificaram-se desde o mês de junho, altura em que os manifestantes se mostraram contra o controverso projeto lei sobre a extradição, que apesar de ter sido retirado não estancou o descontentamento de milhares de ativistas pró-democracia.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.