O presidente do clube de futebol Vitória de Setúbal foi esta quinta-feira atacado em plena Avenida Luísa Todi, em Setúbal, por um empresário da modalidade, noticiou o Correio da Manhã e confirmou a agência Lusa junto de fonte do Clube.

As agressões a Vítor Hugo Valente terão sido vistas por várias pessoas que seguiam na principal avenida da cidade de Setúbal, diz o jornal. O dirigente desportivo estaria a entrar no carro quando o empresário Paulo Rodrigues surgiu e o empurrou de costas para o chão, tendo, a partir daí, sido agredido com murros e pontapés, acrescentou a Lusa.

Ao Correio da Manhã, uma das testemunhas contou que ouviu o agressor que batia e insultava Hugo Valente, a dizer: “Vocês têm de pagar o dinheiro”.

Antes e durante as agressões, o empresário aludiu ao facto de, na segunda-feira, ter sido visado pelo presidente, que garantiu em conferência de imprensa ir apresentar queixa-crime contra Paulo Rodrigues, que acusou o dirigente de ter desviado dinheiro do clube.

“Aí queres tribunal, vais pôr-me em tribunal? Então, toma lá o tribunal”, disse Paulo Rodrigues, de acordo com a mesma fonte, no momento em que deu início às agressões, ao final da tarde de quinta-feira, na principal avenida da cidade de Setúbal.

A Lusa tentou, mas não conseguiu, contactar o empresário Paulo Rodrigues, que reclama uma dívida de 300 mil euros ao clube, e o presidente Vítor Hugo Valente.

Perante a atenção atraída, o homem terá entrado no carro e abandonou o local. O mesmo terá sido feito pouco depois pelo presidente do clube sadino que “ficou muito mal tratado”. “Tinha a cara cheia de sangue. Levantou-se a custo”, esclarece uma das testemunhas entrevistadas pelo Correio da Manhã.

Vítor Hugo Valente ter-se-á dirigido ao hospital para tratar os ferimentos e deverá apresentar queixa nos próximos dias. Ao Observador, o comando da PSP de Setúbal diz desconhecer que tenha sido apresentada qualquer queixa e recusou comentar o caso, adiantando apenas que se encontra a averiguar a situação.

Segundo o Correio da Manhã e o Jornal de Notícias, na raiz da agressão estará um empréstimo contraído em 2018 pelo clube, que continua por pagar. O empréstimo em causa é de 300 mil euros, pago em dinheiro vivo, entregue pelo empresário Paulo Rodrigues, que por sua vez terá sido ajudado por outros dois, disse o Jornal de Notícias. O valor pedido teria como destino o pagamento da inscrição da equipa na liga de futebol.

O Observador tentou contactar o clube, sem sucesso. A Lusa tentou, mas não conseguiu, contactar o empresário Paulo Rodrigues e o presidente Vítor Hugo Valente.

As eleições para os órgãos sociais do Vitória de Setúbal para o mandato 2020-2023 vão realizar-se em 17 de Janeiro de 2020, disse à Lusa o presidente da Mesa da Assembleia Geral do clube da I Liga de futebol.

A decisão foi tomada depois de ter recebido cartas registadas de renúncia de cinco elementos da direção presidida por Vítor Hugo Valente, que tinha sido eleita em 21 de Dezembro de 2017.

Uma investigação do Correio da Manhã afirma que existem vídeos e documentos que mostram Hugo Valente e o seu vice-presidente José Condeças a manusearem maços de notas. São essas imagens que terão levantado as suspeitas e acusações de desvio de dinheiro para benefício próprio, uma vez que nunca terão entrado nas contas do clube.

(notícia atualizada às 15h com a informação sobre a identidade do empresário que alegadamente terá agredido o presidente do Vitória de Setúbal)