O cunhado do Rei de Espanha, Iñaki Urdangarin, regressou este sábado ao estabelecimento prisional de Brieva, em Ávila, de onde saiu na passada terça-feira, véspera de Natal, em precária — e onde está a cumprir uma pena de cinco anos e dez meses de prisão pelos crimes de desvio de fundos públicos, prevaricação, fraude fiscal e tráfico de influências. Foi a mulher, a Infanta Cristina, que o levou de carro.

Urdangarin esteve quatro dias fora da sua cela e pôde passar o Natal com a família — ao contrário do que aconteceu no ano passado. Logo na manhã do dia 25 de dezembro participou na tradicional missa de Natal, com os quatro filhos, Juan, Pablo, Miguel e Irene, e a mulher. À tarde, o ex-duque de Palma passeou pela cidade de Vitória, no País Basco.

O cunhado do Rei de Espanha chegou à cidade de Vitoria no dia 24 de dezembro (Europa Press Entertainment/Europa Press via Getty Images)

A saída precária de Urdangarin mereceu, naturalmente, atenção por parte dos meios de comunicação: os 11 seguranças que acompanhava a família não foram suficientes para afastar os fotógrafos e, até, cidadãos que pediam selfies ao casal. O cunhado do Rei de Espanha foi fotografado de mãos dadas com a Infanta Cristina e a abraçá-la, ambos sorridentes, cúmplices, apaixonados — quase como uma mensagem subliminar de que o escândalo em que se viram envolvidos não foi suficiente para os separar ou causar mau estar no casal.

Depois do passeio, o casal entrou mesmo num café perto da igreja, para lanchar. No seguinte, os seis membros da família deixaram a cidade de Vitória e fizeram um passeio pela costa da Cantárbia.

A família foi a missa de Natal, no dia 25 de dezembro (Europa Press via Getty Images)

O ex-duque de Palma e a Infanta Cristina não passaram despercebidos e a família real não ficou contente, escreve o El Mundo. Citando fontes da realeza, o jornal explica que, embora a família real tivesse conhecimento dos planos de Urdangarin enquanto estivesse no exterior, teria preferido que a primeira saída precária tivesse passado mais despercebida para não diminuir o impacto da mensagem de Natal do Rei Filipe VI.

Urdangarin está preso desde junho de 2o18 no estabelecimento prisional de Brieva, uma prisão feminina que, contudo, dispõe de uma ala à parte onde já estiveram detidos alguns homens por razões especiais de segurança.