A terceira Gigafactory da Tesla é a linha de produção de veículos e baterias que a marca norte-americana instalou na China. Foi um exemplo de celeridade na fase de construção, com o arranque da construção a ter lugar em Dezembro de 2018, para menos de um ano depois, em Novembro, começarem a sair da linha de montagem os primeiros Model 3 .

Depois de apenas 11 meses a construir a fábrica, todo um recorde comprovando a proverbial eficácia chinesa, pelo menos na área da construção civil, a Tesla está há dois meses a aguardar a licença para comercializar os veículos que produz. Ao que parece, tudo por uma questão burocrática, sendo a isso que se deve a acumulação de veículos nos parques da Gigafactory 3, que está literalmente a abarrotar com Tesla chineses.

Se este armazenar de carros novos parece uma má operação financeira, especialmente para a Tesla – que é continuamente pressionada no final de cada trimestre pelo volume de vendas e faltam apenas dois dias para o próximo -, a realidade é que esta situação não passa de um revés temporário. Na passada sexta-feira, 27 de Dezembro, o construtor recebeu do Governo chinês a informação que poderia iniciar as entregas na segunda-feira, dia 30, com a já negociada excepção fiscal que vai maximizar as vantagens para os clientes e, sobretudo, para o fabricante.

Os Model 3 chineses vão ser vendidos aos condutores locais por valores a partir de 355.800 yuan, cerca de 45.500€, ou seja, ligeiramente mais baratos do que os veículos produzidos nos EUA e sujeitos às taxas habituais, a que há que somar os impostos criados devido à guerra sino-americana iniciada pelo Presidente Trump.

A Gigafactory 3 tem como objectivo produzir 1000 Model 3 por semana até final de 2019, para depois evoluir para 3000/semana. Isto é, cerca de 156.000/ano, antes da introdução do Model Y. Veja aqui como é a fábrica chinesa: