Ninguém tem apenas um produto financeiro. Temos uma conta bancária – às vezes mais do que uma porque a empresa onde trabalhamos sugeriu abrir conta no banco xpto quando nós, desde sempre, tivemos conta noutra entidade, para além de que sempre nos disseram que ter todo o dinheiro numa única instituição não é uma boa estratégia. Depois, temos ainda um cartão de crédito de uma financeira, até porque tinha boas condições face ao produto do meu banco.

Ou seja, por muito ‘simples’ que sejam as nossas finanças pessoais, estaremos ‘sempre’ a falar de três produtos diferentes que implicam a visita a três aplicações distintas. Sim, mais vale admitirmos que cada vez mais usamos as famosas apps para gerir a vida pessoal – a financeira obviamente incluída – com todas as vantagens que daí advêm. Temos toda a informação no nosso smartphone, com as idas ao banco, ao Multibanco e mesmo ao homebanking a serem cada vez menos frequentes.

Não será difícil por isso concluir que o número de aplicações que temos instaladas no nosso telefone aumenta à medida quer das nossas necessidades, quer das novas soluções que o mercado vai lançando. O Unido veio alterar um pouco as regras deste jogo. Esta aplicação do banco digital WiZink, permite a agregação de contas bancárias e cartões de crédito numa única app. Independentemente do banco ou da financeira. Ou seja, apenas com uma autenticação – os bancos e demais prestadores de serviços de pagamento na União Europeia estão obrigados a proceder à “autenticação forte” dos seus clientes quando estes acederem à sua conta – é possível ter acesso a toda a nossa vida financeira.

Para além da comodidade de apenas ter de instalar e aceder a uma aplicação, o Unido permite ainda ter uma visão obviamente mais abrangente e eficaz do panorama financeiro, ajudando assim os utilizadores a controlar e a gerir o seu dinheiro de uma forma mais fácil.

Segurança assegurada

A app permite categorizar todos os rendimentos e despesas, dando a possibilidade aos utilizadores de acompanharem a sua evolução e compararem o seu perfil de gastos em diferentes períodos de tempo, com o objetivo de planificar e otimizar a sua gestão orçamental. 
O controlo das contas e cartões de crédito torna-se assim mais fácil com a possibilidade de configurar alertas, recebidos através de notificação no telemóvel, sejam para limites de gastos por categoria de despesas, de saldos mínimos de contas ou de saldos máximos em dívida por cartão. 
O acesso de utilizadores à app é feito através de uma palavra-passe, impressão digital ou leitura facial, estando assim cumpridos os requisitos de segurança da Diretiva Europeia PSD2 e do Regulamento Geral Sobre a Proteção de Dados (RGDP). “Estão garantidos os mais avançados padrões de segurança, tendo a app sido testada por especialistas em segurança digital e privacidade de dados pessoais”, garante a entidade financeira. 
A questão da segurança é obviamente algo que preocupa os utilizadores. Em setembro, entrou em vigor em Portugal uma diretiva europeia sobre serviços de pagamentos que obriga a medidas de segurança reforçadas. Exemplo disso é o facto de as cadernetas bancárias deixarem de poder ser usadas para levantar dinheiro. As bandas magnéticas dos cartões de débito e de crédito deixam de servir para pagamentos, passando apenas a poder ser usado o chip. Os cartões matriz, que têm sido utilizados para dar segurança a movimentos de conta bancária online, deixaram de existir.

Já o acesso à conta bancária pela Internet ou pelas aplicações no telemóvel passou a exigir uma medida extra de acesso. Em geral, os bancos enviam um código por mensagem escrita para o telemóvel dos clientes quando pretendem aceder às suas contas, como medida de segurança adicional. O que vem ainda reforçar a vantagem do Unido que assim, com uma só autenticação, permite aceder a todo o nosso panorama financeiro. Além de que com tanta aplicação não há memória de smartphone que resista.