Antes de chegar aos stands, um novo automóvel demora cerca de quatro ou cinco anos a desenvolver. É muito tempo, sobretudo, nos tempos que correm, em que a evolução tecnológica, por um lado, e as exigências políticas, por outro, vão obrigando os construtores a adaptarem-se e a arriscarem opções. A estas variáveis acresce ainda uma outra: as preferências dos consumidores, cada vez mais a pender para o lado dos SUV. Tudo isto leva a que 10 modelos não façam a “passagem de ano”.

O mesmo mercado em que os três portas já foram, um dia, sinónimo de uma estética mais jovem e desportiva, agora não lhes perdoa. Esta carroçaria está condenada ao desaparecimento, fruto de uma procura sem expressão. O mesmo acontece com os monovolumes, cada vez mais preteridos em prol de modelos com uma imagem mais aventureira, ou seja, os SUV. E depois, há modelos que foram marcantes, mas não conseguiram enfrentar com êxito as gerações que se sucederam ao original. O caso mais flagrante é o do Volkswagen Beetle.

Seja porque as vendas ficaram aquém das expectativas, seja porque vão ser substituídos, confira na galeria que modelos não resistiram aos ditames do mercado.