Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os limites impostos para as emissões de dióxido de carbono (CO2) na Europa são extremamente limitativos e a malha vai ainda apertar mais em 2025 e, depois, em 2030. Ainda assim, Bruxelas acredita que seja possível cumprir o máximo de emissões de CO2 dentro de 10 anos com apenas 30% de veículos eléctricos, em média, por fabricante. Ou menos, caso optem estes por híbridos plug-in, altamente favorecidos pelo legislador, que ofereceu esta possibilidade para evitar que uma grande parte dos fabricantes abrisse falência (por não conseguir pagar as penalidades) devido ao incumprimento já durante 2020.

Mas se os híbridos plug-in são favorecidos por Bruxelas, os híbridos e os mild hybrid começam a ser “esquecidos”, em virtude da reduzida poupança de CO2 (e de consumo) que garantem. Ainda assim, a Toyota continua a apostar arduamente nos híbridos, tal como a Renault, que vai lançar esta solução no Clio e no Captur, com a Volkswagen (marca e grupo) a apostar nos mild hybrid. E um dos mais recentes exemplos é-nos dado pelo novo Golf.

Este best-seller da Volkswagen foi agora introduzido no mercado, com quase todos os motores a estarem disponíveis com (sempre que equipado com caixa DSG) e sem sistema mild hybrid, solução que garante uma pequena redução no consumo e, por tabela, das emissões poluentes e das não poluentes (mas que provocam o efeito estufa) como o CO2. Mas um vídeo recentemente publicado pela marca alemã mostra que, provavelmente, o seu sistema mild hybrid é mais eficaz do que se pensa.

O modelo em causa é o Golf 1.5 eTSI, que tenta reproduzir na via pública o teste de homologação de consumo e emissões, que para ser certificado é avaliado em banco de ensaio e segundo um programa específico. O teste incluiu um trajecto de 33 km, percorridos durante 40 minutos, durante os quais o motor a gasolina funcionou 9.45 minutos, ou seja, 24%. A novidade é o período de tempo em que o motor está na função coasting, isto é, com o veículo a rodar mas sem o motor de combustão funcionar.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De salientar que o 1.5 eTSI é o motor mais recente da marca, mas não surge na versão de 130 cv, a mais eficiente, mas sim na de 150 cv, melhor em potência mas não em consumos. Ainda assim, o Golf mild hybrid mostrou ser capaz de, num teste de 8 minutos, passar quase 4 minutos com o motor a gasolina desligado, poupando gasolina e emissões.

O resultado final é um consumo de somente 4,4 litros/100km, um valor muito interessante e próximo do Toyota Corolla híbrido. Resta ver como se comporta em condições reais de utilização: