O escritor Joel Neto criou um podcast no qual irá ler a partir desta sexta-feira, e ao longo de 52 semanas, o livro “Meridiano 28”, da sua autoria, um projeto que “nunca foi feito em Portugal”, segundo o autor.

Quanto sabemos, eu e a minha editora, um projeto destes nunca foi feito em Portugal. Mesmo no estrangeiro, não conhecemos muitos casos. Porque autores a ler acontece em excertos, mas ler em voz alta, ao longo do ano, um livro com mais de 400 páginas, é um trabalho que exige uma grande perseverança”, avançou à agência Lusa o escritor Joel Neto.

A partir desta sexta-feira, e em todas as sextas-feiras ao longo de 2020, a obra “Meridiano 28” passará do papel para a versão digital através de 52 episódios semanais. O autor açoriano caracteriza a iniciativa como uma “aventura absolutamente louca”, que não terá nenhuma “retribuição direta a não ser o eventual gosto do ouvinte”, até porque os episódios serão disponibilizados gratuitamente.

“Essas coisas não dão dinheiro, são apenas por gosto, por isso não é fácil recrutar um autor para isto. Mas eu vou fazer este esforço com muito gosto e vou levá-lo até ao fim e espero que os leitores adiram, porque será esta a minha retribuição”, assinala. O projeto permite ao autor satisfazer o “gosto” de “ler em público“, enquanto aproveita as “novas possibilidades de comunicação” para fomentar uma “relação tão próxima quanto possível” com os leitores. “Tenho a convicção de que se a literatura for em busca das pessoas tem uma possibilidade maior de chegar a mais gente sem ter de sacrificar o seu conteúdo”, considera.

Publicado em 2018, “Meridiano 28” vê a ação desenrolar-se entre as cidades de Lisboa e Faial (com passagens por Nova Iorque e Praga), abordando a paz vivida entre as comunidades inglesas e alemãs naquela ilha açoriana enquanto desenvolviam a telegrafia submarina durante a II Guerra Mundial. Para o escritor, o 75.º aniversário do fim da II Guerra Mundial, que se cumpre em 2020, serve como um “pretexto extraordinário” para o lançamento do podcast e para que a “orgia de sangue e terror” da guerra não caia no esquecimento, até porque a paz que se vive na Europa Ocidental está atualmente “sob ameaça”, defende.

“Vivemos em paz e prosperidade na Europa Ocidental há tantos anos que nem sempre temos a noção, as novas gerações têm menos a noção, de que o perigo continua a espreitar em cada esquina e de que a guerra é possível. Até porque este modelo político e económico em que assenta a paz que usufruímos está sob ameaça e risco”, refere. Apesar de não descartar a hipótese de os episódios virem no futuro tornarem-se num único audiobook, o autor diz não querer que o audiobook se sobreponha ao podcast“, apontando que o primeiro exige “maior cuidado de edição”, enquanto o segundo “garante maior espontaneidade”.

Já estão disponíveis, em aplicações como o SoundCloud, iTunes ou Spotify, dois episódios do podcast, a introdução e o prólogo (que serve como “episódio zero”). Além da narração de Joel Neto, o podcast “Meridiano 28” conta com música do açoriano Luís Gil Bettencourt, locução de continuidade de Catarina Ferreira de Almeida e o apoio técnico de António Fonseca Tavares.

Joel Neto, natural e residente na Terceira, nos Açores, foi jornalista e atualmente é escritor, tendo sido o autor de romances como “Arquipélago” (2015) ou “Os Sítios Sem Resposta” (2012) e dos diários “A Vida no Campo” (2016), cujo primeiro volume foi reconhecido com o Grande Prémio de Literatura Biográfica da Associação Portuguesa de Escritores.