O primeiro-ministro da Macedónia do Norte, Zoran Zaev, apresentou esta sexta-feira a sua demissão, abrindo caminho para um novo governo interino ser nomeado para organizar as eleições legislativas antecipadas.

A renúncia de Zoran Zaev foi entregue ao parlamento e aos deputados que pretendem votar esta sexta-feira na criação de um gabinete interino de técnicos que organizará as eleições marcadas para abril, explicou o porta-voz do governo, Muamed Hoxha, à agência de notícias Associated Press.

Zaev pediu eleições antecipadas, observando a sua “deceção e indignação” com o fracasso da União Europeia (UE) em iniciar negociações de adesão com a Macedónia do Norte e a Albânia no ano passado. A França, apoiada pela Dinamarca e pela Holanda, opôs-se fortemente às negociações de adesão, pedindo uma revisão dos procedimentos da UE para a admissão de novos membros.

Na Macedónia do Norte, onde o primeiro-ministro, Zoran Zaev, colocou todo o seu “peso” político na balança para fazer avançar o seu país no caminho europeu, a deceção foi particularmente dura. Após o bloqueio europeu, o primeiro-ministro social-democrata anunciou a convocação de eleições legislativas antecipadas em 12 de abril, a fim de pedir aos eleitores que validassem a sua estratégia política.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Zoran Zaev assinou a sua demissão para dar lugar, de acordo com a lei, a um governo responsável pela condução dos assuntos correntes até às eleições, indicou o seu gabinete à agência de notícias France-Presse. Esse governo técnico, que reúne coligação maioritária e oposição, deve ser dirigido por Oliver Spasovski, ministro do Interior no governo de Zaev.

O parlamento deve aprovar, durante esta sexta-feira, a designação desse gabinete. O governo social-democrata de Zoran Zaev assumiu o cargo em 2017.