O Hospital Amadora-Sintra está a aconselhar os pacientes do serviço de urgência a procurarem outros centros hospitalares para serem atendidos, está a noticiar o Correio da Manhã. O hospital ativou o plano de contingência após um aumento do número de pacientes com gripe e infeções respiratórias. Segundo a TVI24, também as ambulâncias estão a ser desviadas para outros hospitais.

Segundo a página do Ministério da Saúde, os casos urgentes que chegam ao hospital estão a demorar, em média, cinco horas e 35 minutos para serem atendidos no serviço de urgência geral. Os utentes com pulseira verde, atribuída a casos “menos urgentes”, apenas são resolvidos ao fim de mais de oito horas.

A Direção-Geral da Saúde aconselha a população a que procure apoio hospitalar apenas em casos graves. Se estiver engripado, deve primeiro avaliar os seus sintomas através desta página do Sistema Nacional de Saúde; contactar o número 808 24 24 24, para que um especialista lhe diga como deve agir, ou procurar o seu médico no centro de saúde. Em casos extremos, deve então ligar o número de urgência médica 112 ou dirigir-se a um hospital.

A Direção-Geral da Saúde também dá pistas sobre como distinguir uma gripe de uma constipação — doenças que são causadas por vírus diferentes. “Ao contrário da gripe, os sintomas e sinais da constipação são limitados às vias respiratórias superiores”, explicam os especialistas, como nariz entupido, espirros, olhos húmidos, irritação da garganta, dor de cabeça. A constipação não costuma provocar febre alta ou dores no corpo, como nos casos de gripe.

Nos adultos e nas crianças mais velhas, a gripe manifesta-se em mal-estar e cansaço, febre alta, dores musculares e articulares, dores de cabeça, tosse seca e inflamação dos olhos. Nos bebés ocorre febre, sonolência, náuseas, vómitos, diarreia, dificuldades respiratórias e otites. Caso sinta algum destes sintomas deve ficar em casa, não se agasalhar em demasia, medir a temperatura regularmente, tomar paracetamol, usar soro para a congestão nasal e beber muitos líquidos.

Não deve nunca dar aspirinas às crianças nem tome antibióticos sem recomendação médica. Esses medicamentos só atacam bactérias, não vírus. Logo, se estiver doente por causa de uma infeção viral, os antibióticos não vão melhorar os sintomas nem motivar a cura da doença. Se estiver grávida ou a amamentar, deve contactar um médico antes de usar qualquer remédio. E, se morar sozinho, deve avisar alguém de que está doente, para que essa pessoa lhe possa acudir caso se sinta mal.

De resto, há estratégias para se proteger da gripe. Além da vacina anual, desenvolvida de acordo com os vírus em circulação em cada época, procure proteger-se do frio, reduzir o contacto com outras pessoas, lavar frequentemente as mãos, usar lenços de papel e deitá-los fora a seguir à primeira utilização; e proteger a boca com o antebraço ou um lenço ao espirrar — nunca com a mão, para não aumentar a probabilidade de propagação da doença.