O atendimento geral das urgências do Hospital do Litoral Alentejano está sem ninguém na escala desde as 20h deste sábado até às 8h de domingo. A denúncia foi feita pelo Sindicato Independente dos Médicos, que acrescenta ao Observador que também no Hospital São José há “mais de oito horas de espera” e “na Amadora as ambulâncias estão a ser desviadas para outros locais”.

O Observador tentou contactar a administração do Hospital do Litoral Alentejano, mas não obteve resposta até ao momento. No entanto, num contacto com o próprio hospital, foi confirmado que o atendimento geral está a ser feito por médicos especialistas, quando o atendimento costuma ser feito por médicos de clínica geral.

Jorge Roque da Cunha, secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos fez ainda um apelo a Marta Temido, ministra da Saúde, para que “resolva o problema e não diga que está tudo bem”. “Não são situações normais”, acrescentou Roque da Cunha ao Observador, referindo-se à falta de médicos que tem levado ao encerramento das urgências pediátricas e ainda a “mínimos que não estão a ser respeitados nas urgências de adultos”.

“É fundamental que o ministério resolva encarar o problema e não escondê-lo”, atirou ainda o presidente do Sindicato Independente dos Médicos.

O Hospital do Litoral Alentejano serve uma população de 100 mil habitantes dos concelhos de Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém, Sines e Odemira.