O ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, defendeu esta segunda-feira em Lisboa a necessidade de potenciar a relação bilateral com Portugal, advogando mais diálogo entre os dois Governos e encontros mais regulares e frequentes.

Angola e Portugal estão em posições em que podem fazer a diferença nos problemas globais, mas para nos debruçarmos sobre essas questões em conjunto temos de potenciar a relação bilateral, com mais diálogo político entre os governos, tornando os encontros mais frequentes e regulares, e sincronizando a concertação multilateral nas Nações Unidas ou nas nossas instituições regionais e comunitárias”, disse o chefe da diplomacia angolana.

Falando na sessão de abertura do Seminário Diplomático, que decorre entre segunda e terça-feira no Museu do Oriente, em Lisboa, Manuel Augusto destacou o “excelente nível das relações bilaterais” entre os dois países e reforçou a ideia de que Angola é um país diferente, aberto para os negócios e desejoso de investimentos internacionais.

Angola é um país de oportunidades únicas para Portugal, para o empresariado português, para o trabalhador português, para o especialista português”, vincou o ministro, acrescentando: “Portugal está numa situação privilegiada para se juntar aos esforços dos angolanos no desejo de muito rapidamente transformar o seu modo de vida porque temos recursos suficientes para melhorar a vida do nosso povo e ainda contribuir para o desenvolvimento do nosso continente”.

Na intervenção, Manuel Augusto defendeu que África tem de deixar “de ser um corpo inerte sobre o qual os abutres dão bicadas”, defendendo que este “continente de oportunidades” tem de ser visto como um parceiro. “Angola precisa de cooperação séria, amiga, não paternalista, dinâmica, e sairemos todo a ganhar”, disse, vincando que “desde o início, o Governo de João Lourenço não se tem poupado a esforços para passar esta mensagem ao mundo, há uma nova Angola para explorar e colaborar, na base do respeito mútuo”.

Angola, prometeu, “tem portas abertas para Portugal e está desejosa de elevar e melhorar o nível da cooperação, porque é possível e porque Portugal, para além da capacidade própria, pode colocar ao serviço de Angola as suas múltiplas ligações no contexto internacional; contamos convosco e queremos que contem connosco”, concluiu o governante.