O número de mortos nos fogos da Austrália aumentou para 27 e há 2131 casas destruídas, um balanço que pode piorar com as avaliações nas zonas mais afetadas, disse esta quinta-feira o primeiro-ministro.”Temos a confirmação de 27 mortes e de 2.131 casas destruídas, mas estimamos que com mais avaliações dos danos, especialmente em Victoria, este número continuará tristemente a aumentar”, afirmou Scott Morrison aos jornalistas.

Estamos muito longe do fim desta crise e deste desastre”, afirmou o governante, que anunciou apoio financeiro direto a 42 autarquias.

O anterior balanço apontava para 25 mortos.

Scott Morrison falava em conferência de imprensa em Camberra depois de uma reunião do Conselho de Ministros, dominada pela situação dos fogos e pela tensão entre os Estados Unidos e o Irão. Morrison fez um ponto da situação operacional no terreno, sublinhando as medidas que estão a ser tomadas em vários pontos do país, com o envolvimento das Forças de Defesa, serviços de emergência e os governos locais, estaduais e federal.

Notando que o risco climatérico vai aumentar nos próximos dias, Morrison explicou que estão atualmente 1.600 reservistas destacados em vários pontos, no âmbito da operação da Força de Defesa Australiana (ADF), que mantém dois navios, o HMAS Adelaide e o HMAS Chules, no sul e sudeste do país. “Temos equipas a trabalhar para restabelecer eletricidade a milhares de casas e negócios. Há ainda muitos sem serviço. Estamos ainda a dar apoio de emergência nas zonas mais afetadas, procurando melhorar situações das infraestruturas”, disse.

Os navios destacados podem, explicou, apoiar na retirada de populações, mas ajudar com todo o tipo de operações, com helicópteros, equipas médicas e de engenharia capazes de intervir de imediato. A Austrália, disse, conta ainda com o apoio de efetivos dos Estados Unidos, Nova Zelândia e Canadá, e o apoio de vários países da “família do Pacífico”. “Ter estes ativos destacados é muito importante. São navios com capacidades significativas para dar toda a assistência necessária”, frisou.

A par da ADF, os serviços de emergência e os governos estaduais estão a aumentar os recursos humanos em vários pontos. O objetivo é, disse, tentar aceder a algumas comunidades que continuam isoladas, reabrindo estradas e permitindo a chegada de apoio adicional de emergência.

Como parte do apoio imediato, Morrison disse que o Governo vai começar a distribuir a partir de sexta-feira pacotes financeiros de um mínimo de um milhão de dólares (618,5 mil euros) a 42 autarquias.

É uma assistência financeira imediata que estará nas contas sexta-feira e que permitirá às autarquias responder de forma imediata às carências mais urgentes”, destacou.

O Governo está a estudar medidas adicionais para setores como o turismo, agricultura e pequenas e médias empresas. “O apoio será aumentado de acordo com as necessidades. Queremos ouvir os responsáveis locais para saber como podemos ajudar”, disse.

“Eles precisam do dinheiro, não de burocracia. E este apoio destina-se a isso, a dar apoio financeiro para as carências no terreno”, afirmou.